22:55 23 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras dos EUA e da OTAN na base aérea militar em Siauliai, Lituânia, 27 de abril de 2017

    Cuba, Nicarágua e Venezuela podem ser próximas vítimas da OTAN, adverte mídia

    © REUTERS / Ints Kalnins
    Américas
    URL curta
    1149

    A OTAN está mirando no Sul: dois países da região, Colômbia e Brasil, expressaram desejo de se unir à Aliança, escreveu a revista austríaca Contra Magazin. Os eventuais integrantes sul-americanos do bloco poderiam se concentrar contra Cuba, Venezuela e Nicarágua, advertiu o autor da matéria, Marco Maier.

    Em maio de 2018, o então presidente colombiano, Juan Manuel Santos, anunciou o ingresso da Colômbia à OTAN como "sócio global". 

    Atualmente, a lista de "sócios globais" da OTAN inclui Afeganistão, Austrália, Iraque, Japão, Mongólia, Nova Zelândia, Paquistão e Coreia do Sul, recordou Maier.

    "Nenhum destes países está na região do Atlântico Norte. Não obstante, todos mantêm na medida do possível uma estreita cooperação militar com Washington, ou simplesmente são vassalos dos EUA, ou, de fato, ainda estão ocupados pelos norte-americanos", explicou o jornalista. 

    O autor recordou também que o presidente dos EUA, Donald Trump, deixou claro que estava "considerando seriamente a participação do Brasil na Aliança Atlântica, ou alguma outra aliança formal com o país sul-americano". 

    De acordo com Marco Maier, se o Brasil e a Colômbia realmente se unirem à OTAN, podem ser seguidos por outros países da América do Sul, cujos governos colaboram estreitamente com os EUA. 

    "Enquanto os integrantes europeus da OTAN se concentram em seu vizinho oriental, Rússia, os integrantes latino-americanos do bloco militar ocidental poderiam se concentrar nos países governados pela esquerda (Cuba, Venezuela, Nicarágua…), e empreender uma intervenção armada com a ajuda dos EUA", concluiu o jornalista.

    Mais:

    Analista: adesão do Brasil à OTAN pode 'minar aspirações de paz' na América Latina
    Por que adesão do Brasil à OTAN é quase impossível?
    Especialista sobre Brasil na OTAN: europeus não querem proteger um país da América Latina
    Tags:
    governos de esquerda, OTAN, Colômbia, Nicarágua, Venezuela, Cuba, EUA, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar