05:23 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Fronteira entre Brasil e Venezuela, na cidade brasileira de Pacaraima, no estado de Roraima

    Exército venezuelano vai reabrir a fronteira para retorno de brasileiros

    © Sputnik / Renan Lúcio
    Américas
    URL curta
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)
    230

    Os agentes da Guarda Nacional Bolivariana que fecham a fronteira venezuelana com o Brasil levantarão o bloqueio momentaneamente na noite desta terça-feira para que possam retornar ao Brasil cerca de 100 cidadãos brasileiros que ficaram presos em território venezuelano após o fechamento da fronteira.

    Fontes do Ministério de Relações Exteriores do Brasil garantiram à Sputnik que os diplomatas brasileiros do vice-consulado em Santa Elena de Uairen, na Venezuela, a 15 km da fronteira "receberam o compromisso das autoridades venezuelanas" que os brasileiros voltarão ao país "antes do final de hoje".

    O Ministério de Relações Exteriores do Brasil informou que não se trata de uma reabertura da fronteira. Somente entre 70 e 100 cidadãos deste país podem entrar no Brasil, que nos últimos dias entraram em contato com o vice-consulado explicando sua situação.

    Entre os brasileiros, existem cerca de 35 caminhoneiros e grupos turísticos que tinham cruzado o país vizinho para escalar o monte Roraima, que foram incapazes de retornar após o fechamento da fronteira decretada pelo governo de Nicolás Maduro na noite de 21 de fevereiro. Em alguns casos, segundo o Itamaraty, são pessoas doentes.

    "Estamos negociando com a guarda venezuelana [da fronteira], estamos enviando uma lista de todos aqueles que procurou ajuda, e essas pessoas serão autorizados a sair", comentaram as fontes citadas.

    O Ministério de Relações Exteriores do Brasil destacou que esta é uma situação específica e que, em geral, não há planos para evacuar os cidadãos brasileiros residentes na Venezuela – são cerca de 13 mil no total e a grande maioria reside em Caracas.

    No entanto, o governo brasileiro entrou em contato com muitos deles na terça-feira por meio de e-mails, grupos do WhatsApp e redes sociais para verificar se eles estavam interessados em deixar a Venezuela, dada a situação de crise no país.

    O consulado brasileiro em Caracas pediu informações que permitissem às autoridades brasileiras "realisticamente considerar" se uma retirada é necessária.

    Cerca de 2 mil e-mails foram enviados para atualizar os dados de residência e localização, e "cerca de 600 brasileiros" manifestaram interesse em deixar o país se a situação "piorar muito".

    No momento, a maioria não quer deixar o país porque ele já tem "raízes profundas", são cidadãos que têm residência permanente na Venezuela, têm negócios executados e têm família e até mesmo crianças com direito à dupla cidadania.

    Nesta terça-feira, um oficial russo acusou os Estados Unidos de estarem preparando uma intervenção militar contra a Venezuela, o que foi negado no fim do dia por Washington.

    Polêmica e violência

    A oposição venezuelana anunciou no sábado que entrariam pela fronteira alimentos e medicamentos doados por os EUA e outros países, que foram descritos por Maduro como "migalhas" e "um show para justificar uma intervenção no país".

    A vice-Presidente Delcy Rodriguez, por sua vez, destacou que na Venezuela "não há crise humanitária" e recordou que, no âmbito do direito internacional aplicável à ajuda humanitária apenas em caso de desastres naturais e conflitos armados.

    O governo venezuelano alertou que qualquer veículo que entre em seu território sem autorização será considerado um alvo militar.

    Em 5 de janeiro, o deputado Juan Guaidó foi eleito presidente da Assembleia Nacional. No dia 23 de janeiro, dois dias depois de a Suprema Corte anular sua nomeação, Guaidó proclamou-se "presidente encarregado" da Venezuela, apelando para um artigo constitucional que prevê esse número.

    O presidente Nicolas Maduro, que assumiu seu segundo mandato em 10 de janeiro, chamou a declaração de Guaidó de uma tentativa de golpe e culpou os EUA de a terem orquestrado.

    Guaidó foi imediatamente reconhecido pelos EUA, caminho ao qual aderiram cerca de 50 países.

    Rússia, China, Cuba, Bolívia, Irã e Turquia, entre outros países, continuam apoiando o governo de Maduro. Já México e Uruguai se recusaram a reconhecer Guaidó, declararam-se neutros e propuseram um diálogo entre as partes para superar a crise.

    A região de fronteira da Venezuela com o Brasil e com a Colômbia registrou episódios de violência no último fim de semana, resultados em duas mortes e dezenas de feridos, em uma queda de braço em torno da entrada de ajuda humanitária no país caribenho.

    Tema:
    Confrontos nas zonas fronteiriças da Venezuela (51)

    Mais:

    Avião espião dos EUA teria passado horas sobrevoando perto da Venezuela
    Venezuela vista por estrangeira: chilena conta o que está acontecendo em Caracas (VÍDEOS)
    EUA estão preparando intervenção militar na Venezuela, diz secretário de Segurança russo
    Tags:
    crise na venezuela, repatriação, fronteira, diplomacia, Ministério de Relações Exteriores do Brasil, Itamaraty, Pacaraima, Venezuela, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar