09:54 17 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras da Venezuela e dos EUA

    Líder chavista a EUA: conseguirão entrar na Venezuela, mas não poderão sair

    © AFP 2019 / Don Emmert
    Américas
    URL curta
    37429

    Comentando a opção de intervenção militar na Venezuela, o líder da Assembleia Constituinte do país (ANC), Diosdado Cabello, disse que os americanos poderão entrar, mas "o problema será para sair".

    O presidente norte-americano, Donald Trump, havia declarado que a intervenção reduziria a crise política que a nação caribenha está atravessando.

    O constituinte afirmou na quinta-feira (21) que os venezuelanos permanecerão firmes na defesa da soberania nacional ao se referir à mobilização das forças chavistas no estado do Amazonas, na fronteira com o Brasil.

    "Este não é o momento dos fracos, é o momento dos que têm amor em seus corações para defender a pátria em que nasceram", disse durante uma transmissão televisiva.

    ​União Cívico-Militar Para a Pátria alerta, alerta, alerta que a espada de Bolívar está caminhando pela América Latina, antes do ataque imperialista, nossa resposta deve ser a máxima união das Forças Revolucionárias, neste solo sagrado não passarão, nós venceremos!

    Cabello, que também é primeiro vice-presidente do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV), rogou aos seguidores da revolução bolivariana para não "caírem na guerra psicológica", acrescentando que a população deve "estar preparada para tudo" diante da pressão internacional promovida pela Casa Branca, através da "ajuda humanitária" que tenta entrar à força por qualquer ponto de fronteira com a Venezuela, incluindo o Brasil, Colômbia e as ilhas do Caribe.

    Pedindo às unidades das forças populares para defenderem a legitimidade do presidente constitucional, Nicolás Maduro, o líder chavista garantiu que "nem um único soldado estrangeiro pisará" na Venezuela.

    As declarações de Cabello vieram após a ação do autoproclamado presidente interino, Juan Guaidó, de ir à fronteira com a Colômbia para liderar a entrada de um lote de "ajuda humanitária" com o apoio do governo colombiano.

    Mais:

    EUA mandam enviado à Colômbia para ajudar na entrega de ajuda à Venezuela
    Planalto: fronteira com Venezuela segue aberta
    Governador de Roraima: fronteira com Venezuela já foi fechada
    Rússia diz que EUA preparam provocações na fronteira da Venezuela
    Tags:
    intervenção militar, ajuda humanitária, crise política, Diosdado Cabello, EUA, Brasil, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar