20:58 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    White House senior policy adviser Stephen Miller calls on a reporter during the daily briefing at the White House in Washington

    Assessor de Trump prevê 'centenas de quilômetros' de muro de fronteira até 2020

    © AP Photo / Susan Walsh
    Américas
    URL curta
    137

    Um importante conselheiro do presidente estadunidense Donald Trump disse neste domingo que a declaração de emergência pode permitir que "centenas de quilômetros" de barreiras sejam construídas na fronteira mexicana antes da eleição de 2020.

    "Você está olhando para centenas de quilômetros", afirmou Stephen Miller ao Fox News Sunday, acrescentando que "provavelmente algumas centenas de quilômetros" até setembro de 2020, dois meses antes da eleição.

    Trump deixou claro que planeja explorar a questão em sua campanha de reeleição, mesmo em meio a duras críticas de democratas, grupos de direitos humanos, proprietários de terras da fronteira — e vários republicanos proeminentes.

    Na sexta-feira, o presidente invocou uma "emergência nacional" para justificar a utilização de fundos militares e outros para a construção de barreiras, depois que o Congresso aprovou menos de um quarto dos US$ 5,7 bilhões que ele buscou para a segurança das fronteiras.

    Miller, ecoando os argumentos de Trump, declarou que uma fronteira desprotegida permitia que drogas e criminosos entrassem no país. Ele rejeitou as estatísticas do governo mostrando que as entradas ilegais haviam caído.

    "Você não pode ter áreas descontroladas e desprotegidas da fronteira, onde as pessoas podem entrar sem serem detectadas", avaliou.

    Instado a dar um exemplo de um ex-presidente invocando uma emergência depois de ter sido negado fundos pelo Congresso, Miller não poderia fazê-lo. "Se as pessoas não gostam disso, elas podem resolver isso", completou.

    Um desafio 'iminente'

    Dada a quase certeza dos desafios legais e de um possível movimento de bloqueio no Congresso, está longe de claro quão rapidamente a construção da barreira pode avançar na fronteira de 3.140 quilômetros.

    Xavier Becerra, o procurador geral da Califórnia, disse à rede ABC que seu estado entraria com uma ação contra o projeto "definitivamente, e em breve".

    Ele disse que a Califórnia e outros estados têm posição legal no caso porque arriscaram perder dinheiro destinado a projetos militares, assistência a desastres e outros propósitos. Vários estados "serão prejudicados", complementou.

    Outra democrata, a senadora Tammy Duckworth, de Illinois, afirmou que acha que o Congresso pode aprovar uma resolução para bloquear a ação de Trump, mas pode não ser capaz de convocar os votos para anular o possível veto de Trump.

    Miller parou pouco antes de prever um veto de Trump, dizendo simplesmente: "Ele vai proteger sua declaração de emergência nacional — garantida".

    Vários senadores republicanos condenaram a declaração de emergência, dizendo que ela estabelece um precedente perigoso e equivale a uma sobrecarga executiva. Como eles podem votar em uma resolução não é clara.

    Mas um conhecido republicano, o ex-governador de Massachusetts William Weld, está até entretendo ser o principal desafio de 2020 para o presidente.

    Embora suas chances pareçam escassas, ele argumentou neste domingo que os norte-americanos não podem pagar mais seis anos de um presidente que "quer dividir o país" e é "imprudente" ao acumular déficits de trilhões de dólares.

    Ele disse que a declaração de emergência foi um exemplo de Trump tentando "fazer-se parecer indispensável", e acrescentou: "Ele não é absolutamente indispensável".

    Mais:

    Acordo deverá dar parte de recursos que Trump quer para construir muro
    Trump diz que vai garantir construção do muro na fronteira com México
    Trump diz que EUA construirão 'muro humano na fronteira com o México se necessário'
    Tags:
    democratas, republicanos, reeleição, política, fronteira, muro, William Weld, Tammy Duckworth, Xavier Becerra, Donald Trump, Stephen Miller, Califórnia, México, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar