13:34 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Juan Guaidó, presidente da Assembleia Nacional da Venezuela

    Guaidó promete que mudança de governo venezuelano será vantajosa para Rússia e China

    © REUTERS / Manaure Quintero
    Américas
    URL curta
    Crise política na Venezuela se agrava (163)
    1569
    Nos siga no

    O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, autoproclamado presidente interino bolivariano, em entrevista à Reuters, afirmou que a mudança de governo vai ser vantajosa para os principais parceiros comerciais – Moscou e Pequim.

    Segundo Guaidó, o presidente Nicolás Maduro "não protege os interesses da Venezuela" nem o investimento estrangeiro, sendo, assim, um péssimo sócio. Além disso, o presidente do Parlamento venezuelano notou já ter tentado contato com Rússia e China.

    "O que é mais aquedado para Rússia e China é a estabilidade do país e a mudança de governo", disse o presidente do Parlamento venezuelano. O líder da oposição venezuelana prometeu que, em caso de vitória, não se esquecerá dos compromissos assumidos por Maduro, tais como empréstimos. Além disso, Guaidó notou já ter tentado contato com Rússia e China.

    Mas a Rússia não teve e não planeja ter nenhum contato e não reconhece o status presidencial do oposicionista, destacando que Nicolás Maduro é o presidente que foi eleito pelo povo e que o presidente de um país não pode ser determinado por outros países.

    A China também se opõe à interferência estrangeira nos assuntos da Venezuela. Pequim apoia o governo de Nicolás Maduro para manter a soberania nacional e a estabilidade e reconhece Maduro como o legítimo presidente da Venezuela, apesar de toda a pressão sofrida por ele.

    No dia 31 de janeiro, o Parlamento Europeu solicitou à chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, e aos governos dos países-membros, que se juntem ao reconhecimento do líder da oposição.

    Em 23 de janeiro, o chefe da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, se declarou presidente interino do país durante protestos antigovernamentais nas ruas de Caracas.

    Não só os EUA e a União Europeia apoiam Guaidó, mas também uma série de países da América Latina, inclusive o Brasil, manifestaram apoio a Guaidó e à oposição venezuelana. Ao lado de Nicolás Maduro estão diversos países, dentre eles a Rússia e a China.

    Tema:
    Crise política na Venezuela se agrava (163)

    Mais:

    Guaidó diz ter realizado 'reuniões clandestinas' com o Exército em busca de apoio
    Trump e Guaidó decidem manter 'comunicação regular' para solucionar crise na Venezuela
    EUA não devem intervir militarmente na Venezuela, diz ex-comandante da OTAN
    Tags:
    vantagens, mudança de governo, Juan Guaidó, China, Rússia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar