03:25 22 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Vladimir Padrino López, ministro da Defesa da Venezuela (imagem de arquivo)

    Ministro da Defesa venezuelano: Caracas deve resistir e não hesitar

    © Sputnik / Sergey Mamontov
    Américas
    URL curta
    25475

    A lealdade dos militares ao atual governo de Nicolás Maduro foi reafirmada pelo ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, que enfatizou que agora é hora de mostrar resistência.

    "Não vamos permitir que o mundo, as redes sociais, as declarações extravagantes de governos que pretendem isolar a Venezuela, nos confundam e nos esmaguem. Não é o momento para confusão, não é o momento de hesitar, é momento de resistir", disse o ministro, cuja declaração foi publicada no site do Ministério da Defesa venezuelano.

    Padrino López também apelou para que se evite a divisão da sociedade venezuelana, em prol da paz, alertando sobre as consequências de uma possível guerra.

    "Conhecemos as consequências da guerra e é por isso que apelamos constantemente à paz, porque no momento em que isso possa acontecer, o que não vai acontecer porque não somos ovelhas, nem estúpidos nem imbecis, não somos, então haverá sangue, morte, enterros e a Venezuela ficará dividida, pronta para ser colocada em uma bandeja de prata para aqueles que querem colocar suas garras em nossas riquezas", afirmou.

    Além disso, o ministro da Defesa adicionou que a Venezuela "não deve fazer o gosto a ninguém que tente dividi-la", ou que pretenda quebrar uma instituição fundamental para a paz do país, como é a Força Armada Nacional Bolivariana.

    O presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, Juan Guaidó, autoproclamou-se presidente interino da Venezuela no dia 23 de janeiro, enquanto o presidente do país Maduro, que assumiu o segundo mandato no início do ano, classificou a situação como uma tentativa de golpe de Estado, culpando Washington de incitação.

    Os EUA e uma série de outros países, inclusive o Brasil, reconheceram Guaidó como presidente da Venezuela. A Rússia e outros Estados, incluindo a China, Turquia, e Irã reafirmaram seu apoio ao atual governo venezuelano.

    Mais:

    Canada receberá reunião do Grupo de Lima para mediar crise na Venezuela
    Papa Francisco se diz preocupado com possível derramamento de sangue na Venezuela
    Trump não descarta uso de força militar na Venezuela, diz senador
    Tags:
    conflito, resistência, Força Armada Nacional Bolivariana, Mjnistério da Defesa da Venezuela, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Vladimir Padrino López, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar