14:52 14 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira norte-americana sobre a Embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Venezuela

    Venezuela ameaça deixar diplomatas dos EUA sem luz e gás

    © REUTERS / Marco Bello
    Américas
    URL curta
    Crise política na Venezuela se agrava (163)
    212111
    Nos siga no

    Os funcionários da Embaixada dos EUA em Caracas arriscam ficar sem serviços básicos se recusarem abandonar o país, declarou o líder da Assembleia Constituinte da Venezuela, Diosdado Cabello.

    Anteriormente, o presidente venezuelano Nicolás Maduro rompeu as relações diplomáticas com os EUA após Donald Trump ter reconhecido o oposicionista Juan Guaidó como presidente interino da Venezuela. Maduro deu 72 horas à equipe diplomática dos EUA para deixar o país, em um anúncio feito quando se dirigia a seus partidários de uma varanda do palácio do governo.

    "Eles disseram que não saem porque não reconhecem Nicolás [Maduro]. É possível que desapareça a luz na área [da Embaixada] e não chegue o gás, com tantos problemas que há nesse país", declarou Diosdado Cabello.

    Segundo ele, "se não há relações diplomáticas, não há nenhum tipo de privilégios".

    Antes, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, anunciou que o país tomaria todas as medidas necessárias para responsabilizar qualquer pessoa que ameace a segurança dos diplomatas norte-americanos.

    Crise política na Venezuela

    A situação na Venezuela piorou consideravelmente após a posse de Nicolás Maduro, reconduzido ao poder em 10 de janeiro último. Os EUA, a União Europeia e um grupo de países da América Latina se pronunciaram contra o segundo mandato de Maduro, qualificando-o como "usurpador", pois afirmam que ele foi eleito de maneira "fraudulenta".

    Em 23 de janeiro, o oposicionista Juan Guaidó fez um pronunciamento durante uma manifestação contra o governo de Nicolás Maduro e se declarou presidente interino da Venezuela. Os EUA, União Europeia e uma série de países da América Latina, inclusive o Brasil, manifestaram apoio a Guaidó e à oposição venezuelana.

    A Rússia declarou que a sua posição sobre o reconhecimento de Nicolás Maduro como presidente legítimo da Venezuela não mudaria, assinalando que a posição dos países ocidentais mostra a forma como eles encaram o direito internacional, a soberania e a não interferência nos assuntos internos dos países.

    Tema:
    Crise política na Venezuela se agrava (163)

    Mais:

    EUA se recusam a reconhecer rompimento de laços diplomáticos com Venezuela
    Rússia critica 'interferência de outros países' em assuntos internos da Venezuela
    Forças Armadas da Venezuela irão defender a Constituição, diz ministro da Defesa
    Rússia mantém reconhecimento de Maduro como presidente legítimo da Venezuela
    EUA reconhecem Guaidó como presidente interino da Venezuela
    Tags:
    abandono, luz, embaixada, relações diplomáticas, rompimento, gás, Diosdado Cabello, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar