16:25 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Cesare Battisti chega a Roma

    Após caso Battisti, Moro promete revisar tratado de extradição com a Argentina

    © REUTERS / Max Rossi
    Américas
    URL curta
    323
    Nos siga no

    O ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro disse nesta quarta-feira (16) que vai ser assinado um tratado de extradição revisto com a Argentina com o objetivo de acelerar o processo penal entre vizinhos e evitar situações como o italiano Cesare Battisti, que fugiu do Brasil.

    "Às vezes tem uma situação urgente. Precisa prender o cara. E, se você seguir o canal diplomático, acontece igual o Battisti", disse Moro disse a jornalistas no Palácio do Planalto antes da reunião do presidente brasileiro Jair Bolsonaro com seu parceiro argentino Mauricio Macri.

    Moro explicou que a revisão do tratado de extradição permitirá o intercâmbio de informações entre países fora dos canais diplomáticos. Segundo ele, as mudanças seriam uma melhoria para o tratado existente, "que é um pouco velho", acrescentou.

    As mudanças permitirão "uma comunicação mais rápida entre os dois países", disse o ministro brasileiro. Moro reuniu-se com os ministros argentinos da Justiça e Direitos Humanos, Germán Garavano, e da Segurança Pública, Patricia Bullrich, para discutir ações conjuntas entre os países

    O italiano e ex-guerrilheiro Cesare Battisti, condenado por assassinato e foragido por quase quatro décadas depois de escapar da prisão, foi extraditado para a Itália depois de ser preso na Bolívia. Antes, Battisti estava no Brasil.

    Ministro Sérgio Moro se reúne com os Ministros Argentinos
    © Foto / Isaac Amorim/MJSP
    Ministro Sérgio Moro se reúne com os Ministros Argentinos

    Mais:

    Bolsonaro sanciona Orçamento de R$ 3,3 trilhões para 2019
    Bolsonaro recebeu auxílio-mudança de R$ 33,7 mil da Câmara, diz jornal
    Moscou não vê motivos para o Brasil de Bolsonaro desempenhar papel destrutivo no BRICS
    Decreto de Bolsonaro: mais armas trarão mortes e força às facções, dizem analistas
    Coordenador do Atlas da Violência e senador pró-armas comentam decreto de Bolsonaro
    Tags:
    Mauricio Macri, Jair Bolsonaro, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar