04:25 23 Março 2019
Ouvir Rádio
    A bandeira da União Europeia

    União Europeia 'lamenta' novo mandato de Maduro e pede novas eleições

    © Sputnik / Irina Kalashnikova
    Américas
    URL curta
    Maduro é pela 2ª vez presidente da Venezuela (15)
    12510

    A União Europeia lamentou a posse de Nicolás Maduro para um segundo mandato como presidente da Venezuela, de acordo com um comunicado de Maja Kocijancic, porta-voz da chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.

    "A UE lamenta profundamente que o seu 'apelo' de realizar novas eleições presidenciais em conformidade com as normas democráticas internacionalmente reconhecidas e a ordem constitucional venezuelana tenha sido ignorado e que o Presidente Maduro esteja a iniciar um novo mandato com base em eleições não democráticas", diz a declaração.

    Segundo Kocijancic, "a possibilidade de uma solução constitucional negociada foi ainda mais distanciada à medida que a crise no país latino-americano se torna mais aguda".

    O texto indica que, para a UE, a única saída para a crise venezuelana é através de uma solução política, democrática e pacífica.

    A UE colabora com parceiros regionais e internacionais para criar condições adequadas para o processo político na Venezuela e também monitorizará a situação neste país.

    A comunidade europeia também chamou Maduro "para reconhecer e respeitar a função e independência da Assembleia Nacional, como uma instituição democraticamente eleita, para libertar todos os prisioneiros políticos, para respeitar o estado de direito, direitos humanos e liberdades fundamentais e para para lidar imediatamente com as necessidades prementes da população ".

    Maduro foi empossado em 10 de janeiro para um novo mandato até 2025, apesar da pressão do Grupo Lima, um fórum de 14 países do hemisfério que denuncia um "colapso da ordem democrática" na Venezuela.

    Tema:
    Maduro é pela 2ª vez presidente da Venezuela (15)
    Tags:
    União Europeia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar