09:44 26 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Embaixada dos EUA em Cuba (foto de arquivo)

    Cientistas encontram inesperado responsável por 'ataques acústicos' em Cuba

    © AP Photo / Desmond Boylan
    Américas
    URL curta
    23515

    Pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) e da Universidade de Lincoln (Reino Unido) analisaram uma gravação do ruído utilizado alegadamente para "ataques acústicos" contra diplomatas norte-americanos em Cuba, e tiraram uma conclusão inesperada.

    Alexander Stubbs e Fernando Montealegre acreditam que a gravação, apresentada como uma prova de ataques acústicos, não é nada mais que o canto de grilos. 

    As conclusões dos cientistas foram apresentadas no decorrer de uma reunião anual da Sociedade para Biologia Integrativa e Comparativa (SICB, sigla em inglês). Seus autores não conseguiram confirmar nenhum dano físico causado à saúde dos diplomatas norte-americanos, de acordo com a edição The New York Times

    "Na comunidade médica há muitas controvérsias sobre qual dano físico, se é que há algum, pode ter sido sofrido por essas pessoas. Tudo o que posso dizer é que o registro publicado pela [agência] AP é de um grilo, e achamos que sabemos a que espécie ele pertence", assinalou Alexander Stubbs.

    Os cientistas planejam divulgar a investigação em uma revista científica nos próximos dias. 

    Os EUA alegam que 26 diplomatas de seu país, acreditados em Havana, sofreram severos danos à saúde (perda auditiva, náuseas e dores de cabeça), como resultado de supostos ataques acústicos que ocorreram em Cuba entre novembro de 2016 e fevereiro de 2017.

    Posteriormente, as autoridades norte-americanas expulsaram 15 diplomatas cubanos do país.

    Mais:

    Rússia e Cuba expressam 'séria preocupação' sobre saída dos EUA do INF
    EUA impõem novas sanções à Venezuela e indicam que Cuba e Nicarágua são as próximas
    Assembleia Geral da ONU aprova resolução para suspender bloqueio dos EUA a Cuba
    Tags:
    ataque acústico, Cuba, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar