03:37 20 Janeiro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira dos Estados Unidos da América

    EUA exigem retorno do americano suspeito de espionagem na Rússia

    © Foto : Pixabay
    Américas
    URL curta
    13112

    O Serviço Federal de Segurança da Rússia (FSB) deteve o norte-americano Paul Whelan por suspeita de espionagem em 31 de dezembro do ano passado e abriu um processo criminal contra ele.

    O secretário de Estado Mike Pompeo declarou que os Estados Unidos exigem o retorno imediato de seu cidadão e pedem uma explicação do motivo da sua detenção.

    Ele acrescentou que Washington espera entrar em contato com Paul Whelan nas próximas horas por meio do acesso consular.

    Raúl Castro em registro de 2015.
    © AP Photo / Ismael Francisco, Cubadebate via AP
    Informando sobre a prisão do cidadão norte-americano, o FSB anunciou que contra ele foi aberto um processo criminal por "espionagem", o que prevê uma pena de prisão por um período de 10 a 20 anos.

    Segundo o Ministério das Relações Exteriores da Rússia, a embaixada dos EUA foi notificada sobre a detenção de seu cidadão conforme a convenção consular, o que também foi confirmado pela porta-voz do Departamento de Estado dos EUA.

    O irmão gêmeo de Paul, David Whelan, afirmou que ele não é culpado e que viajou para Moscou para participar de uma cerimônia de casamento, relatou a CNN.

    David acrescentou que Paul é um fuzileiro naval aposentado que serviu em várias operações no Iraque.

    No entanto, o jornal Washington Post reportou que Paul Whelan foi demitido do Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA em 2008 por comportamento inadequado.

    Mais:

    Tropas dos EUA no Japão não ameaçam a Rússia, afirma premiê japonês
    Putin volta a dizer que a Rússia está 'aberta ao diálogo' com os EUA
    Araújo: Brasil e EUA começam nova etapa nas relações bilaterais
    Tags:
    suspeito, espionagem, detenção, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Serviço Federal de Segurança (FSB), Mike Pompeo, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik