05:48 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile e Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos

    Bogotá denuncia Caracas na ONU por detenção de cidadãos colombianos

    © AFP 2018 / Johan Ordonez
    Américas
    URL curta
    210

    O Ministério das Relações Exteriores da Colômbia denunciou à Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, a situação de 59 cidadãos colombianos detidos em uma estação de polícia de Caracas, que, na semana passada, foram acusados de terrorismo.

    "Através de uma nota verbal endereçada a Michelle Bachelet", a chancelaria colombiana "expôs mais uma vez a situação dramática dos 59 colombianos arbitrariamente detidos na estação La Yaguara, em Caracas, Venezuela, desde 1 de setembro de 2016", disse o ministério através de um comunicado.

    De acordo com as autoridades colombianas, os detidos estariam em condições deploráveis e não teriam tido acesso a um devido processo legal, "tendo em conta que um juiz ordenou sua liberdade plena desde novembro de 2017". O documento enviado a Bachelet busca que ela encaminhe as ações que julgar apropriadas para o Grupo de Trabalho sobre Detenção Arbitrária pronunciar-se sobre essa situação.

    Presos há mais de dois anos na Venezuela, os 59 colombianos são acusados pelo governo de Nicolás Maduro de pertencer ao grupo paramilitar e narcotraficante Los Pelusos. Na última quarta-feira, o 47º Tribunal de Caracas acusou-os de terrorismo, conspiração para cometer um crime e falsificação de documentos públicos, o que pode lhes custar uma sentença de até 30 anos de prisão.

    Mais:

    Colômbia tem 'obsessão' pela Venezuela, diz chanceler
    Banco Mundial: êxodo da Venezuela custará à Colômbia até US$ 1 bilhão
    Venezuela rechaça Colômbia por conceder status de refugiado a opositor do regime
    Venezuela acusa Colômbia de impedir retorno de mais de 70 venezuelanos
    Tags:
    detidos, presos, ONU, Michelle Bachelet, Chile, Bogotá, Caracas, Colômbia, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik