10:21 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente de China, Xi Jinping, y presidente de Argentina, Mauricio Macri

    China e Argentina assinam plano de ação até 2023

    © REUTERS / Marcos Brindicci
    Américas
    URL curta
    680

    O presidente da Argentina, Mauricio Macri, destacou que o plano de ação conjunta 2019-2023 assinado entre Buenos Aires e Pequim fortalecerá os laços entre as duas nações.

    Macri elogiou "o plano de ação conjunta 2019-2023 para fortalecer múltiplos setores" em uma aparição com o presidente chinês, Xi Jinping, que está em visita oficial a Buenos Aires.

    Os dois presidentes assinaram cerca de trinta acordos econômicos e de investimento, entre outros, "avançando para resolver questões sanitárias e fitossanitárias", disse o presidente da Argentina.

    É por isso que o acordo alcançado permitirá "diversificar o comércio e o investimento" com um país que é "o motor da economia global", declarou Macri.

    O presidente do país sul-americano destacou o apoio estatal da China "à empresas que querem investir na Argentina".

    Macri também felicitou Xi Jinping pelos 40 anos do "plano de abertura e reforma que marcou o início do desenvolvimento da China e que permitiu tirar 800 milhões de pessoas da pobreza".

    O presidente chinês, por sua vez, destacou que os acordos firmados estabelecem uma cooperação financeira, econômica, cultural, comercial e agrícola "em prol do desenvolvimento comum".

    "Nós acabamos de realizar uma reunião muito produtiva durante o qual trocamos opiniões sobre a agenda bilateral e questões de interesse comum, chegando a um consenso importante", disse Jinping na residência presidencial de Olivos, na província de Buenos Aires.

    O presidente chinês parabenizou seu colega argentino pela "realização bem-sucedida da cúpula do G20", que terminou com uma declaração conjunta em favor da reforma da Organização Mundial do Comércio (OMC).

    Xi Jinping, que realizou uma visita de trabalho à Espanha, antes de desembarcar na Argentina, deixará o país neste domingo e seguirá para o Panamá, em sua primeira viagem oficial ao país da América Central.

    Mais:

    Dragão asiático se instalando na América Latina: como China conquista economia argentina?
    Trump pode violar acordo com China a qualquer momento, afirma analista
    Trump e Xi abordam guerra comercial entre EUA e China após cúpula do G20
    Guerra comercial entre EUA e China abre janela de oportunidades para Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik