05:20 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Carro queimado pelos incêndios florestais perto da cidade de Malibu, na Califórnia

    Incêndio mais mortal da história da Califórnia é controlado

    © Sputnik / Grigory Dubovitsky
    Américas
    URL curta
    3 0 0

    O incêndio mais mortífero e destrutivo da história da Califórnia foi finalmente totalmente controlado pelos bombeiros, mais de duas semanas após a erupção, informaram autoridades neste domingo (25).

    A informação veio pelo Twitter do Departamento Florestal e de Proteção de Incêndios da Califórnia.

    O incêndio, que começou em 8 de novembro, matou 87 pessoas, enquanto outras 249 indivíduos continuam desaparecidas.

    Apenas 54 dos corpos foram identificadas, de acordo com o escritório do xerife local em Butte County.

    Um total de 153.336 acres foram afetados pelo incêndio, com quase 14 mil casas e centenas de outras estruturas destruídas.

    Fortes chuvas nos últimos dias ajudaram a apagar as chamas remanescentes, mas também dificultaram o trabalho de busca de corpos.

    A fumaça foi tão intensa que as escolas de São Francisco tiveram que fechar em um ponto no início deste mês, assim como o famoso teleférico da cidade.

    O governador da Califórnia, Jerry Brown, alertou que o estado pode esperar um número crescente de grandes incêndios como resultado do aquecimento global.

    O presidente dos EUA, Donald Trump, que visitou uma das cidades mais atingidas, chamada Paradise, no último final de semana, causou alguma consternação ao dizer que os incêndios se deviam em parte à má gestão florestal.

    Mais:

    'Violação da soberania iraquiana': legisladores exigem retirada dos EUA do Iraque
    Porta-aviões dos EUA poderia ter causado caos eletrônico em Hong Kong
    EUA 'desempoeiram' armas antigas para alcançar os modernos mísseis russos
    Após corte de verbas, EUA oferecem ajuda ao Paquistão no combate ao terrorismo
    Tags:
    Jerry Brown, Donald Trump, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik