16:57 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Mark Zuckerberg, CEO do Facebook, reúne-se com um grupo de empreendedores e inovadores durante uma mesa-redonda no centro de tecnologia da Cortex Innovation Community (arquivo)

    Facebook nega ter escondido atividade russa

    © AP Photo / Jeff Roberson
    Américas
    URL curta
    320

    O Facebook negou nesta quinta-feira (15) as alegações feitas em um artigo recenete de que a companhia tentou esconder informação e enganou o público sobre seu suposto conhecimento de atividade russa antes das eleições presidenciais dos EUA, em 2016.

    Na quarta-feira (14), o jornal norte-americano The New YOrk Times, publicou um artigo que descreve o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg e o COO Cheryl Sandberg tão obcecados com o crescimento da empresa que teriam ignorado sinais relacionados a uma suposta atividade russas na plataforma que dirigem e que teriam ainda tentado escondê-la do público.

    "A história dá como certo que nós sabíamos sobre atividade russa já na primavera de 2016, mas que fomos muito lentos para investigá-la. Isso não é verdade", disse o Facebook em uma comunicado.

    O Facebook afirmou que o artigo contém um certo número de incoerências mas concordou que a empresa foi lenta para identificar a suposta atividade.

    "Nós anunciamos publicamente em várias ocasoões —incluindo diante do Congresso — que fomos muito lentos na identificação da interferência russa no Facebook, assim como outros usos indevidos.

    O Facebook também enfatixou que está investimento pesado em pessoal e tecnologia desde as eleições presidenciais de 2016 e que a companhia está orgulhisa de progresso realizado na luta contra a desinformação.

    A gigante das redes sociais também afirmou que encerrou seu contrato com a firma de consultas do Partido Republicano, a Defineers Public Affairs, na quarta-feira (14) após as táticas da empresa em lidar com críticas da rede social foi denunciada no artigo.

    A Rússia nega as acusações de interferência no sistema político dos EUA e afirma que as alegações são inventadas como desculpas da candidatura que perdeu as eleições assim como para desviar a atenção pública de problemas reais das eleições como fraudes e corrupção.

    Mais:

    Facebook apresenta problemas no Brasil e em outros países
    Facebook e Twitter negam interferência da China nas eleições dos EUA
    Facebook derruba páginas e perfis a favor de Bolsonaro que 'divulgavam spam político'
    Facebook passa a avisar usuários brasileiros que tiveram a conta invadida
    Tags:
    interferência russa, The New York Times, Defineers Public Affairs, Cheryl Sandberg, Mark Zuckerberg, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik