02:29 15 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Emblema da CIA em sua sede em Langley, Virgínia, EUA

    Programador da CIA preso por vazamentos à Wikileaks diz ter sido submetido a 'tortura'

    © AP Photo / Carolyn Kaster
    Américas
    URL curta
    706

    O ex-programador da Agência Central de Inteligência (CIA), Joshua Adam Schulte está preso desde 2017 sob o Ato de Espionagem dos EUA por supostamente vazar 8 mil arquivos para o WikiLeaks, publicados no lote de revelações apelidado de 'Vault 7'. Ele agora denuncia ter sido submetido a confinamento em solitária sob condições de "tortura".

    As revelações foram feitas após o vazamento de uma carta ao juiz norte-americano Paul Crotty, do Distrito Sul de Nova York, que em dezembro de 2017 revogou a liberdade provisória de Schulte e ordenou que ele fosse preso sem fiança, uma decisão confirmada em março deste ano por um tribunal de apelações.

    "Estou escrevendo para você porque não pude entrar em contato com meu advogado, revisar minha descoberta ou mesmo ajudar em meu caso durante todo o mês de outubro. Isso é escandaloso e claramente inconstitucional, então escrevo para você para obter algum alívio. No dia 1º de outubro fui chamado para uma visita legal. Quando cheguei, me disseram que eu estava indo para a 'caixa' por um período de tempo indeterminado enquanto eles me investigavam por algo que eles se recusaram a me dizer. Então eu fui algemado na prisão e deixado em uma  cadeira na câmara de tortura notoriamente desumana que é MCC 9 Sul", disse Schulte.

    Funcionários da MCC (Centro Correcional Metropolitano) teriam submetido Schulte e outros presos da "9 Sul" — a unidade de segregação da prisão — a uma "punição cruel e incomum". O ex-programador acusado — que ostentava uma autorização "secreta" enquanto estava na CIA — reclama de "chuveiros cheios de fezes" que "deixam [você] mais sujo do que quando entrou", exposição ao frio extremo sem cobertores ou camisas de mangas compridas", "luzes incontroláveis estão sempre ligadas nos privando de sono". 

    "Nenhum ser humano deveria experimentar essa tortura", escreveu ele.

    Além disso, desde que foi colocado na "câmara de tortura", Schulte teve o acesso revogado a documentos legais e aos seus advogados, impedindo-o de construir uma nova defesa antes de seu julgamento final.

    "Companheiros Escravos"

    "Meu dia aqui consiste em nada além de tentativa de meditação. Meus colegas escravos constantemente gritam, batem e arranham suas celas tentando chamar atenção para suas necessidades básicas satisfeitas. Eu testemunhei homens sendo arrastados de suas celas e espancados. O abuso corre desenfreado… eu fui revistado e minha cela foi invadida no início da manhã no meu aniversário Coincidência? Ou presente de aniversário do governo? Eles vão me segurar neste inferno para sempre enquanto não fazem nada. Eu não sou condenado. Eu sou um americano. Eu sou um ser humano. Como é que eu deveria estar sujeito a isso? Terroristas recebem melhor tratamento na Baía de Guantánamo, Cuba — eu sei porque eu vi as imagens de lá", Schulte se desespera.

    Ele encerra o texto pedindo ao juiz Crotty para ordenar que o Sistema Penitenciário Federal "me devolva meu trabalho legal" e "acesso ao telefone do defensor público para contatar meu advogado durante o dia", bem como canetas, documentos, livros legais e acesso a suporte médico e medicação para pressão arterial. Ele chega a argumentar que o FBI "mentiu descaradamente" em suas declarações de busca e diz que o Departamento "agora reconhece mais ou menos a metade" dessas falsidades.

    Os arquivos que Schulte teria vazado para o WikiLeaks foram copiados em 2016 de um servidor interno da CIA e documentaram uma série de ferramentas de hacking usadas pelas equipes de invasão digital durante a realização de vigilância externa. O governo dos EUA ainda não abriu um processo contra Schulte devido ao vazamento. Os advogados disseram que dezenas de funcionários tinham acesso ao servidor em questão. Em maio, ele foi designado a um defensor público federal depois que seu advogado particular desistiu do processo e sua família gastou a maior parte de suas economias em honorários advocatícios.

    No entanto, além de espionagem, hacking e crimes relacionados, a acusação federal contra Schulte também o acusa de posse de pornografia infantil, devido a imagens que agentes do FBI aparentemente encontraram em seu disco rígido enquanto investigavam o vazamento do WikiLeaks.

    Schulte também enfrenta acusações em um caso de agressão sexual em Loudoun County, Virgínia — o FBI afirma ter encontrado fotos de um de seus telefones mostrando uma mulher "desmaiada no chão" de seu banheiro e sendo abusada sexualmente.

    O caso da Virginia foi a justificativa usada para a revogação da fiança de Schulte. Os promotores também disseram que ele violou suas condições de acesso ao acessar seu e-mail e a rede de internet anônima TOR.

    Tags:
    Sistema Penitenciário Federal, FBI, WikiLeaks, CIA, Centro Correcional Metropolitano, Joshua Adam Schulte, Paul Crotty, Virgínia, Nova York
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik