17:58 14 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela

    Maduro diz que aceitaria ajuda do FBI para investigar atentado contra sua vida

    © REUTERS / Miraflores Palace/Handout
    Américas
    URL curta
    533

    O presidente Nicolás Maduro está disposto a aceitar que o FBI participe da investigação sobre o que o governo diz ser uma tentativa de assassiná-lo e ajudar a desmantelar supostos grupos terroristas que teriam trabalhado a partir dos Estados Unidos.

    Em declarações feitas no sábado (11), Maduro disse que Washington ofereceu a "cooperação do FBI para investigar os elos entre as pessoas que residem naquele país com o suposto 'plano de assassinato'".

    Nesse sentido, o presidente indicou que, se Washington ratificar sua oferta de cooperação, "eu concordaria que o FBI venha e participe da investigação e ajude a desmembrar as células terroristas" que seriam baseadas no estado da Flórida. O chanceler Jorge Arreaza disse que pedirá a extradição de Osman Delgado Tabosky, designado como financista do grupo.

    Arreaza se reuniu na semana passada com o encarregado de negócios da Embaixada dos EUA em Caracas para "compartilhar as provas" que supostamente estavam ligadas aos envolvidos. A relação entre a Venezuela e Washington está sob intensa tensão há anos e, desde 2010, os dois países não mantêm embaixadores.

    O comentário de Maduro coincidiu com "o mandato urgente" do Grupo Lima — formado por Argentina, Brasil, Canadá, Colômbia, Costa Rica, Chile, Guatemala, Guiana, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru — de realizar "uma investigação". independente, exaustiva e transparente "sobre o incidente" de 4 de agosto, em que dois drones surgiram enquanto Maduro fazia um discurso.

    Por outro lado, o Grupo Lima descreveu a detenção do deputado da oposição Juan Carlos Requesens por suas supostas ligações ao caso como "arbitrárias, ilegais e sem investigação prévia", e também manifestou sua oposição pelo pedido de prisão do também opositor Júlio Borges — que está na Colômbia há meses.

    Mais:

    Venezuela pretende combater 'terrorismo colombiano' após atentado contra Maduro
    Venezuela tem 25 suspeitos do atentado a Maduro
    Parlamentares perdem imunidade na Venezuela após atentado contra Nicolás Maduro
    Maduro indica objetivo do ataque contra ele
    Maduro espera que Trump não permita planejamento de assassinatos de líderes estrangeiros
    Tags:
    Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik