09:52 10 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Aviões da empresa aérea Air Alaska estacionados no aeroporto de Seattle

    Eis o que mecânico 'suicida' falou a operadores antes de avião roubado em Seattle cair

    © REUTERS / Brendan McDermid
    Américas
    URL curta
    9717

    O funcionário da companhia aérea Horizon Air se chamou de "cara desfeito" e esperava sentir um "momento de serenidade" no ar, mostra o texto da sua conversa com os operadores aéreos, publicado em uma das edições locais.

    Logo após o sequestro, o mecânico estava se comportando de modo tranquilo e até gracejava que receberia um trabalho de piloto caso aterrissasse com sucesso. Porém, na sequência reconheceu que não sabia como se fazia aterrissar um avião.

    "De fato, nem planejava aterrissar", explicou ele aos operadores, citado pelo jornal Seattle Times.

    Mais tarde, o homem começou a ficar preocupado com o combustível estar acabando e por o motor poder explodir.

    "Tem muitas pessoas que me apreciam. Elas vão ficar tristes quando descobrirem o que eu fiz. Queria pedir desculpa a cada uma delas. Eu sou somente um cara desfeito", confessou.

    Ao longo de todo o voo, os operadores e o capitão do avião tentaram ajudar o jovem a aterrissar e dissuadi-lo de fazer manobras perigosas no ar.

    "Eu sinto muito. Espero que isso não estrague o dia de vocês", disse ele no final da conversa.

    O mecânico de 29 anos, Rick, roubou o avião da companhia Alaska Airlines, sem passageiros a bordo, do aeroporto de Seattle na noite da sexta-feira (10). Ele esteve no ar por cerca de 15 minutos e caiu após realizar manobras perigosas no ar. Durante o voo, a aeronave foi perseguida por caças F-15, mas eles não tiveram nada a ver com o acidente.

    Mais:

    Lendário avião de ataque Il-2 é encontrado em lago na Rússia (FOTOS)
    Avião cai no sul da Califórnia
    Polícia confirma morte de 20 passageiros no acidente de avião em Alpes
    Tags:
    suicídio, aviação civil, F-15, EUA, Seattle
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik