13:02 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    A Russian-made Sukhoi Su-30MKV fighter jet of the Venezuelan Air Force flies over a Venezuelan flag tied to missile launchers, during the Escudo Soberano 2015 (Sovereign Shield 2015) military exercise in San Carlos del Meta in the state of Apure

    Venezuela movimenta tropas, 10 países repreendem e Brasil é último a saber

    © REUTERS / Marco Bello TPX
    Américas
    URL curta
    616511

    Com Brasil de fora, declaração dos governos de Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Paraguai e Peru, parte do Grupo de Lima, condenou movimentação de tropas venezuelanas na fronteira com a Colômbia. A Sputnik Brasil ouviu o especialista em políticas latino-americanas da USP, Rafael Villa, sobre o assunto.

    A declaração foi recebida com surpresa no Itamaraty, que a classificou como resultado de "claríssimos açodamento e precipitação", segundo coluna do jornal O Globo, visto que não foi consultado mesmo fazendo parte do grupo criado em 2017.  O governo brasileiro teria demosntrado desapontamento, pois considera ter relações estreitas com a Colômbia na área da Defesa e esperava ser consultado sobre uma pauta como essa.

    Por fim, o governo brasileiro preferiu não se associar às afirmações do Grupo de Lima na declaração conjunta, divulgada pela chancelaria chilena na terça-feira (17).

    Em entrevista à Sputnik Brasil, o especialista em políticas latino-americanas, Rafael Villa, professor de Relações Internacionais da USP afirmou que essa situação demonstra dissonância entre os países do grupo em relação ao Brasil.

    "Isso pode estar mostrando que o Brasil teve algum dissenso substantivo em relação aos outros países do Grupo de Lima. Porque não é por acaso que um dos países que mais tem criticado, questionado o governo Maduro nos últimos tempos, como é o governo de Temer e seu chanceler, tenha sido deixado de fora", afirmou Villa.

    Para o professor, a declaração do Itamaraty, que abriu desafeto com a nota conjunto do Grupo de Lima, é uma prova de que o governo brasileiro não estava de acordo com o conteúdo dela. 

    O especialista ainda especula sobre o que pode ter causado a discordância brasileira e afirma que o assédio norte-americano pode ter causado o distanciamento do país em relação à atitude do grupo.

    "O Brasil também pode ter percebido alguma interferência do governo norte-americano nessa nota e quer manter uma condição de mais autonomia em relação a um comunicado que vai diretamente a um assunto muito delicado como é a movimentação na fronteira", ressalta o professor Rafael Villa.

    Ação militar contra Maduro?

    Um dos temores que rondam as relações diplomáticas do continente é a possibilidade de alguma ação militar contra a Venezuela. A ideia não é nova e está ameaça o regime chavista há anos, tendo sido aquecida com as recentes mudanças de governo da região e o alinhamento de países como o Brasil, Argentina e Colômbia às críticas e medidas contra a Venezeula.

    O professor, porém, acredita que isso não passa de retórica, e que as condições necessárias a uma ação de tom bélico contra o governo de Maduro ainda não estão postas.

    "Em princípio não acredito que isso seja possível, porque não há ações mais sólidas que dêem indícios de que isso poderia estar acontecendo. Eu acho que se os Estados Unidos, em qualquer caso, decidam usar sua força, a Venezuela pouco teria a fazer, devido a um poder militar tão grande como o dos Estados Unidos", afirma Rafael Villa.

    Ele relembra que as movimentações de tropas venezuelanas na fronteira com a Colômbia não são novas e que a tensão diplomática entre os países é uma constante do chavismo.

    "Essas movimentações de tropas na fronteira com a Colômbia acontecem desde a época de Chávez. Para justificar uma possível invasão à Venezuela se utilizando das bases militares que os Estados Unidos possuem na Colômbia, países como a Colômbia teriam que declarar que sua segurança nacional esteja ameaçada pela Venezuela. E que isso, por sua vez, ameace a segurança dos Estado Unidos, o que cria uma situação de risco, ameaça, para os países da região", aponta.

    Mensagem ao novo presidente colombiano?

    Para o professor, existe a possibilidade de que essa movimentação, apesar de não representar uma novidade, seja uma mensagem de Nicolás Maduro ao presidente eleito colombiano, Iván Duque, próximo de Álvaro Uribe, antigo desafeto dos venezuelanos.

    "Em princípio, acho mais que o argumento da invasão cabe mais ser utilizado pelo governo venezuelano como uma maneira defensiva, como uma maneira de levantar os brios de seu público interno", acredita o professor.

    Ele lembra, no entanto, que à época do presidente Chávez, os dois países viveram quase 8 anos em uma constante "guerra fria", que se caracterizou por declarações diplomáticas "muito fortes" e chamadas de embaixadores.

    Por isso, em meio à crescente tensão sobre seu governo, não estaria descartada a possibilidade de que Maduro esteja tentando demonstrar ao novo presidente colombiano, Ivan Duque, que ele não terá vida fácil com o vizinho.

    Mais:

    México não vai interferir em crises na Venezuela e Nicarágua, diz futuro chanceler
    Analista: China não teme conflito com EUA por causa da Venezuela
    Rússia não acredita que uso da força pode resolver a crise na Venezuela
    'EUA buscam motivar golpe de Estado na Venezuela', diz especialista
    Tags:
    crise na venezuela, América do Sul, tensão política, tensão militar, América Latina, diplomacia, Grupo de Lima, Universidade de São Paulo (USP), Itamaraty, Iván Duque, Álvaro Uribe, Hugo Chávez, Nicolás Maduro, Guatemala, Honduras, Paraguai, Chile, Colômbia, Venezuela, México, Panamá, Peru, Costa Rica, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik