22:22 12 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Trump na cúpula da OTAN em Bruxelas

    Trump causou mais danos à OTAN do que URSS e presidentes anteriores, diz ex-embaixador

    © REUTERS / Jonathan Ernst
    Américas
    URL curta
    7143

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, causou mais danos à OTAN nos 18 meses de sua presidência do que os líderes soviéticos e norte-americanos em 70 anos, disse o ex-embaixador dos Estados Unidos na Rússia, Michael McFaul.

    Trump está participando de um econtro de dois dias da OTAN em Bruxelas, que começou nesta quarta-feira (11). 

    "Trump causou mais danos à OTAN em 18 meses do que os líderes soviéticos e russos conseguiram em sete décadas. Por quê?", McFaul escreveu em sua página no Twitter.

    O ex-embaixador também apontou que os ataques de Trump à OTAN foram lucrativos para a Rússia e a China, que se beneficiam com o enfraquecimento da organização no cenário internacional.

    ​"Os ataques de Trump à OTAN beneficiam tanto o [presidente russo Vladimir] Putin quanto o [presidente chinês] Xi [Jinping]. Nossos aliados no Pacífico, estão acompanhando esses eventos nesses países", acrescentou McFaul.

    Desde que assumiu o cargo, em janeiro de 2017, Trump tem tem pressionado a OTAN, afirmando que vários outros estados no mundo precisam cumprir suas obrigações anuais de gastos com defesa na aliança.

    Ele acredita que os EUA se prejudicam arcando com a maior parte dos gastos. O mesmo discurso tem sido aplicado a outras organizações internacionais, como a ONU, e repete o jargão da "América em primeiro lugar", marca de seu governo nas relações comerciais.

    Mais:

    Stoltenberg: OTAN manterá presença no Mar Negro
    OTAN declara 'vitória' na Copa 2018 na Rússia
    Ucrânia inventa 'supermanobra' para aderir à OTAN
    EUA dizem que França será seu parceiro número 1 se Londres não aumentar despesas na OTAN
    Tags:
    relações internacionais, OTAN, Xi Jinping, Vladimir Putin, Michael McFaul, Donald Trump, URSS, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik