11:25 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Cannabis

    Erva-mate com maconha: novo produto conquista Uruguai

    © AP Photo/ Jeff Chiu
    Américas
    URL curta
    0 11

    Esta semana, as lojas uruguaias começarão a vender embalagens de mistura de erva-mate com maconha. Apesar das vendas do produto terem sido ensaiadas no ano passado, a iniciativa foi barrada no mercado por falta da autorização necessária. Finalmente, o Ministério da Saúde Pública liberou o pacote.

    Na semana passada, o diretor de uma das empresas que distribuirá o produto, Pablo Riveiro, foi citado pelo jornal Perfil dizendo que o quitute "será comercializado livremente e poderá ser consumido por qualquer pessoa". 

    Isso ocorre porque a erva não contém o principal componente psicoativo da cannabis, o tetraidrocanabinol (THC). No entanto, inclui o canabidiol (CBD), presente em 40% da composição da planta. Nesse sentido, Rivero enfatizou que essa "não é uma erva medicinal". 

    "Não é um medicamento e não é psicoativo", ressaltou.

    Como parte dos regulamentos aprovados pelas autoridades, as marcas La Abuelita e Cosentina tiveram que incluir uma folha de maconha claramente visível na embalagem para que os consumidores possam diferenciar claramente o produto.

    A Lei 19.172 de controle e de regulamentação da produção, aquisição, armazenamento, comercialização e distribuição de cannabis, sancionada em dezembro de 2013, busca "promover e melhorar a saúde pública" dos usuários desse medicamento.

    Conforme relatado pelo jornal uruguaio La República, de acordo com dados do Instituto de Regulação e Controle de Cannabis, até 5 de junho de 2018 havia 35.246 pessoas cadastradas para acessar a maconha de maneira regulamentada. Isto pode ser realizado de três maneiras: auto-cultivo (até seis plantas femininas e um máximo de 480 gramas de cannabis armazenada), clubes de plantio ou associações (entre 15 e 45 pessoas), e compra em farmácias.

    No entanto, de acordo com a VI Pesquisa Nacional de Uso Doméstico de Drogas, aproximadamente 147.000 pessoas entre 18 e 65 anos usaram maconha "pelo menos uma vez" nos últimos 12 meses no Uruguai. Quase metade (49,1%) são jovens entre 18 e 29 anos.

    Mais:

    Portugal aprova projeto de lei para legalizar o uso de maconha medicinal
    Primeiro país na África: Zimbábue legaliza maconha para uso medicinal e científico
    Promotores federais dos EUA não irão trabalhar em casos pequenos de maconha
    Pesquisadores da Unifesp são alvo de inquérito por simpósio sobre maconha
    Índices de violência despencam em estados dos EUA onde a maconha é legalizada
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik