07:32 15 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Soldados norte-americanos perto de sistema de defesa antiaérea Patriot durante manobras na Lituânia

    EUA teriam elaborado plano de luta contra 'ameaça russa'

    © REUTERS / Ints Kalnins
    Américas
    URL curta
    4114

    Os EUA pretendem desenvolver armas de longo alcance para lutar contra a potencial "ameaça russa" na Europa, escreve o portal Maven Warrior.

    De acordo com a edição, os engenheiros norte-americanos planejam se focar na produção de mísseis, armas hipersônicas e artilharia de longo alcance. O secretário do exército dos EUA, Mark Esper, chamou esses desenvolvimentos de "prioridade número um".

    Nota-se que os altos funcionários do exército receiam o aumento das forças russas na Europa. Atualmente, os EUA estão desenvolvendo armas de artilharia de longo alcance capazes de atingir alvos a grande distância.

    O Maven Warrior cita os resultados da investigação da associação dos apoiadores do controle de armamentos. Conforme a organização, uma série de armamentos russos representam uma ameaça aos EUA. Por exemplo, o sistema tático-operativo de mísseis Tochka é capaz de atingir objetivos à distância de cerca de 185 quilômetros.

    Além do mais, os especialistas ressaltam o potencial do míssil balístico russo de médio alcance RS-26 Rubezh. Ele pode cobrir uma distância de mais de 5.800 quilômetros. Também alguns mísseis balísticos intercontinentais russos podem atingir alvos à distância de 11.000 quilômetros. Neste caso o portal cita como exemplo o sistema de mísseis estratégicos Topol-M.

    Para lutar contra o inimigo potencial os EUA começaram a desenvolver mísseis de alta precisão e longo alcance da classe terra-terra, cuja produção está planejada para 2027. Supõe-se que serão necessários especialmente na luta contra a Rússia, que possui um dos mais avançados meios da defesa antiaérea no mundo.

    O secretário norte-americano sublinha que os mísseis de alta precisão e longo alcance podem ser usados para aniquilar a defesa antiaérea inimiga.

    Segundo informa o portal, as companhias da indústria militar Raytheon e Lockheed ganharam o acordo potencial no valor total de 116 milhões de dólares (429 milhões de reais) para elaboração de armas de longo alcance. Prevê-se que algumas armas poderão ser apresentadas já em 2020.

    Mais:

    'Assassino de porta-aviões': como Tu-22M3 modernizado pode ameaçar a Marinha dos EUA?
    Ex-presidente estoniano ameaça que Rússia pode perder várias cidades grandes
    Base militar dos EUA na Polônia pode comprometer segurança no Leste Europeu
    Tags:
    agressão, mísseis, artilharia, Europa, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik