13:57 19 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Drone MQ-1C Warrior UAV das Forças Aéreas dos EUA

    Acordo com Pentágono por tecnologia de guerra coloca o Google em maus lençóis

    © Foto: Exército dos EUA
    Américas
    URL curta
    161

    O Google enganou o público sobre o tamanho do contrato da empresa para desenvolver inteligência artificial (IA) para o Pentágono, e seus executivos preferiram não divulgar sua participação no projeto, segundo e-mails vazados obtidos pelo site The Intercept.

    Diane Greene, diretora executiva da unidade de negócios de nuvem da empresa, disse recentemente aos funcionários que a receita do Projeto Maven — um programa do Pentágono em desenvolvimento que visa usar inteligência artificial para ajudar os drones a identificar alvos terrestres humanos sem a ajuda de operadores humanos — era de US$ 9 milhões. Mas os e-mails internos da empresa de setembro de 2017 obtidos pelo The Intercept sugerem o contrário.

    Uma mensagem, dita por Aileen Black, membro da equipe de vendas de defesa do Google, observou que o acordo arrecadaria US$ 15 milhões nos próximos 18 meses. O e-mail também disse que o orçamento para o programa deve se expandir para US$ 250 milhões. A avaliação de Black parece ter mérito: de acordo com o The Intercept, um mês após a revelação do contrato, o Pentágono alocou mais US$ 100 milhões para o Projeto Maven.

    Os e-mails também mostram que os executivos do Google estavam profundamente preocupados com uma possível repercussão pública se a participação da empresa no programa do Pentágono se tornasse amplamente conhecida.

    "Não sei o que aconteceria se a mídia começasse a captar um tema que o Google está construindo secretamente armas de IA ou tecnologias de inteligência artificial para permitir armas para a indústria de defesa", escreveu Fei-Fei Li, cientista chefe do Google Cloud, em um dos e-mails vazados.

    "Isso é carniça para a mídia para encontrar todas as maneiras de danificar o Google. Você provavelmente ouviu Elon Musk e seu comentário sobre a IA causando a Terceira Guerra Mundial", continuou.

    O Google aparentemente não tinha um plano concreto para lidar com a cobertura da mídia em torno do controvertido contrato, sugere a rede de e-mails. Em vez disso, a empresa aparentemente esperava que o acordo, que não estava diretamente com o Google, permanecesse oculto do público.

    "O contrato não é direto com o Google, mas através de um parceiro (ECS) e temos termos que impedem a divulgação de comunicados de imprensa sem o nosso consentimento mútuo", escreveu Black, acrescentando que o Departamento de Defesa dos EUA "não diz nada sobre o Google sem nossa aprovação".

    No entanto, Black advertiu que a notícia do contrato acabaria por sair, seja através de vazamentos ou solicitações de Lei de Liberdade de Informação. Advogando contra manter o acordo em segredo, Black perguntou: "Não seria melhor tê-lo liberado em nossos termos?". Apesar das preocupações de Black, a empresa não divulgou o projeto até que as notícias sobre sua existência surgiram em março de 2018.

    Em protesto contra o acordo, mais de 3.000 funcionários do Google assinaram uma petição exigindo que a empresa cancelasse o acordo e adotasse uma política clara de que não participaria do desenvolvimento da tecnologia de guerra. Cerca de uma dúzia de funcionários do Google se demitiram nas últimas semanas em protesto ao projeto, segundo o site Gizmodo.

    O Google insiste que a tecnologia que está desenvolvendo para os militares dos EUA será para "usos não ofensivos apenas".

    No entanto, em um movimento curioso que exacerbou o clamor público sobre a participação do Google no Projeto Maven, a empresa decidiu eliminar o "não seja mal" — seu lema não oficial — de seu código de conduta. A remoção ocorreu nas últimas semanas, mas a mudança só foi notada no final de maio.

    Mais:

    Pentágono adverte Assad para não atacar forças americanas na Síria
    'Pentágono é famoso fomentador de guerras no espaço mundial'
    Dados pessoais coletados por Google aproximam aparecimento de 'drones assassinos'
    Tags:
    terceira guerra mundial, Projeto Maven, drone, militares, inteligência artificial, guerra, The Intercept, Pentágono, Google, Elon Musk, Fei-Fei Li, Diane Greene, Aileen Black, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik