14:26 19 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Donald Trump assinando documentos na Casa Branca (arquivo)

    Trump assina ordem proibindo transações adicionais com a Venezuela

    © AP Photo / Susan Walsh
    Américas
    URL curta
    13410

    O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou uma ordem nesta segunda-feira que limita a capacidade do governo venezuelano de vender bens públicos após a eleição considerada "fraudulenta" do último domingo, segundo informou a Casa Branca.

    Ontem, em meio a protestos internacionais, o atual presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, foi reeleito para um novo mandato até 2025. O processo eleitoral, no entanto, que teve 54% de abstenção, foi considerado ilegítimo por uma série de países. Maduro venceu ao receber 68% dos votos válidos, contra 21% do opositor Henri Falcón.

    Nicolás Maduro comemora reeleição na Venezuela
    © REUTERS / Carlos Garcia Rawlins
    O Brasil e os demais integrantes do chamado Grupo de Lima emitiram uma nota nesta manhã condenando o pleito venezuelano e anunciando a redução do nível de relações diplomáticas com Caracas. O grupo, estabelecido há menos de um ano, no Peru, também alertou para os riscos de concessão de crédito à administração Maduro e prometeu medidas para monitorar lavagens de dinheiro, corrupção e outras atividades ilícitas no país.

    A medida anunciada hoje por Washington, de acordo com um funcionário da Casa Branca, afetaria principalmente contas venezuelanas relacionadas ao setor de petróleo. A ordem executiva, segundo o texto assinado por Trump, foi emitida "à luz das recentes atividades do regime de Maduro, incluindo a má gestão econômica endêmica e a corrupção pública às custas do povo venezuelano e sua prosperidade, e a contínua repressão da oposição política; tentativas de minar a ordem democrática ao realizar eleições precipitadas que não são livres nem justas; e a responsabilidade do regime pelo aprofundamento da crise humanitária e de saúde pública na Venezuela".

    O documento em questão, que entra em vigor hoje, detalha uma série de restrições ligadas a possíveis transações entre pessoas ou entidades que estejam nos Estados Unidos e o governo venezuelano, incluindo compras de dívidas e contas, transferências, aquisição de ações, penhores ou cessões.

    "Qualquer conspiração formada para violar qualquer uma das proibições estabelecidas nesta ordem é proibida", destaca o chefe de Estado norte-americano.

    Mais:

    Rússia lamenta impacto negativo de fatores externos nas eleições na Venezuela
    Brasil não reconhece vitória de Maduro na Venezuela
    Candidato da oposição diz que eleições na Venezuela não são legítimas
    Tags:
    sanções, Casa Branca, Grupo de Lima, Nicolás Maduro, Donald Trump, Brasil, Caracas, Washington, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik