13:38 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Explosão nuclear

    Universidade americana 'perde' material radioativo usado para construir bombas nucleares

    CC BY 2.0 / Maxwell Hamilton / Nuclear Explosion Fantasy
    Américas
    URL curta
    362

    A Universidade Estatal do Idaho nos EUA perdeu um pedaço de plutônio militar que estava armazenado na instituição, comunica um portal norte-americano, citando um comunicado da Comissão de Controle Nuclear.

    A última inspeção de materiais radioativos foi efetuada ainda em 2004. Na época, 14 pedaços de um grama do plutônio-239 foram empacotados e guardados em cofres especiais para seu futuro enterramento.

    Após isso, uma anotação sobre o plutônio foi eliminada da base de dados, cuja redação cabe à Universidade, que a apresenta à Comissão de Controle Nuclear.

    Não se sabe como se perdeu um dos pedaços, mas ele não consta nos relatórios subsequentes. Por enquanto, também não há informações de que teria sido eliminado.

    O porta-voz da Comissão de Controle Nuclear dos EUA, Victor Dricks, confessou que não pode confirmar que o plutônio perdido não representa nenhum risco, embora tenha sugerido que a causa da "perda" pode ser um erro nas anotações.

    "Suspeitamos que, afinal de contas, o pedaço esteja no polígono para os materiais radioativos", disse.

    Entretanto, a comissão propõe impor uma multa de $US 8.500 (mais de R$ 30.000), já que os funcionários da universidade manifestaram negligência e não efetuaram uma inspeção rigorosa dos materiais radioativos que tinham à sua disposição.

    Um grama do plutônio-239 não é suficiente para criar uma bomba nuclear, mas basta para criar a base radioativa de uma bomba suja, indica o portal LiveScience.

    Mais:

    Estados Unidos avançam com testes de nova bomba nuclear
    Central nuclear na Bélgica registra vazamento de água contaminada
    Rússia reduziu arsenal nuclear em mais de 85% após Tratado de Não-Proliferação
    Tags:
    plutônio, bomba nuclear, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik