09:15 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Militares argentinos

    Que vantagens pode ter Argentina de exercícios conjuntos com EUA?

    © AFP 2018 / Juan Mabromata
    Américas
    URL curta
    945

    Recentemente, a Argentina e os EUA anunciaram planos de realizar "exercícios" conjuntos. Será que tal passo tem relação com o aumento da presença norte-americana na América Latina, ou tem como objetivo aperfeiçoar segurança do país na véspera da cúpula do G-20? Jornalista explica.

    Previamente, a ex-ministra da Defesa e agora parlamentar da oposição, Nilda Garre, afirmou que "forças armadas dos Estados Unidos e da Argentina" realizarão "exercícios militares conjuntos nos dias 2 e 3 de maio em território nacional".

    Apesar do ingresso do contingente norte-americano na Argentina, o evento não é considerado como sendo exercícios militares, o problema é que neste caso, a manobra deva ser autorizada pelo Congresso do país. Neste contexto, o editor da revista especializada Zona Militar, González Lacroix comentou a situação à Sputnik Mundo.

    "É um tema muito discutido. A oposição menciona que qualquer tipo de ingresso ao país de uma força militar estrangeira, deva receber autorização expressa do Congresso [da Argentina]. Por outro lado, membros do Ministério da Defesa argumentam que a equipe a ingressar é formada por analistas e funcionários ligados à segurança e inteligência, portanto, não é necessário receber aprovação do Congresso", declarou.

    As manobras consistem na transferência de um caminhão, que supostamente leva armas químicas e de destruição em massa, e a realização de uma operação de desarticulação. O objetivo será avaliar as capacidades para evitar uma catástrofe entre forças norte-americanas, militares e forças de segurança argentinas.

    Para González Lacroix, isso implica em uma implantação "muito importante" de recursos a nível material e de contingente na véspera da próxima cúpula do G-20, que se realizará no país em 30 de novembro.

    "A Argentina não havia realizado práticas deste tipo. A proximidade do G-20 talvez seja um fator que faz com que acelere a realização deste tipo de exercício e o anfitrião possa fornecer um nível de segurança de acordo com a responsabilidade de hospedar um evento tão importante", apontou o editor.

    Finalmente ele sugere que o futuro mostrará se é possível tirar vantagens de exercícios deste tipo.

    Mais:

    Analista: EUA tentarão frustrar aproximação econômica entre China e América do Sul
    China na América Latina: que países ganham no intercâmbio com gigante asiático?
    América Latina em luta: por que EUA apostam mais na Doutrina Monroe?
    Tags:
    exercícios conjuntos, cúpula, segurança, Forças Armadas dos EUA, Agência de Segurança Nacional, G-20, EUA, Argentina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik