10:06 24 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Prisão de Guantánamo

    Pentágono envia prisioneiro de Guantánamo à Arábia Saudita

    © East News / Tech. Sgt. Michael R. Holzworth
    Américas
    URL curta
    504

    Os Estados Unidos transferiram um detento do centro de detenção de Guantánamo para a Arábia Saudita, informou o Departamento de Defesa dos EUA em um comunicado de imprensa na quarta-feira, marcando a primeira vez que tal transferência foi realizada sob o comando do presidente Donald Trump.

    "O Departamento de Defesa anunciou hoje a transferência de Ahmed Mohammed Ahmed Haza al Darbi do centro de detenção da Baía de Guantánamo para o governo do Reino da Arábia Saudita", disse o comunicado.

    Darbi foi condenado a 13 anos de prisão por acusações relacionadas com o terrorismo. Em fevereiro de 2014, ele se declarou culpado diante de uma comissão militar e desistiu de seu direito de apelar.

    A transferência foi feita em coordenação com o governo saudita para verificar se todos os procedimentos e tratamentos humanitários estão sendo seguidos com cuidado, de acordo com o comunicado.

    Trump disse pouco antes de sua posse em janeiro de 2017 que não deve haver mais lançamentos de detentos da instalação de Guantánamo. O presidente dos EUA caracterizou os detidos restantes como sendo extremamente perigosos e impedidos de retornar.

    Dos 714 detidos libertados do centro de detenção na Baía de Guantánamo, 532 foram libertados pelo Presidente George W. Bush e o restante pelo Presidente Barack Obama, que tentou, mas acabou por não fechar o centro de detenção.

    Mais:

    Órgão da ONU acusa EUA de detenção ilegal de prisioneiro em Guantánamo
    Pentágono: detento de Guantánamo será transferido para Arábia Saudita
    'Legal, seguro e humano': Trump derruba decreto de Obama e mantém Guantánamo aberta
    Trump ameaça segurança nacional dos EUA mantendo Guantánamo, diz militar norte-americano
    Detento de Guantánamo sentenciado a 13 anos de prisão por terrorismo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik