14:26 19 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    O presidente da Federação Mexicana de Futebol, Décio de Maria, o diretor da candidatura do México à Copa do México, Yon de Luisa, e o secretário do Interior mexicano, Alfonso Navarrete Prida em evento de divulgação da candidatura conjunta com EUA e Canadá à Copa do Mundo de 2026.

    FIFA repreende Trump após ameaças a quem não votasse pela Copa de 2026 nos EUA

    © AP Photo / Eduardo Verdugo
    Américas
    URL curta
    15161

    Pegou mal a afirmação de Trump no Twitter de que poderia retirar o apoio nas Nações Unidas a países que votassem contra a proposta americana de sediar a Copa de 2026. O direito de organizar o torneio vem sendo disputado pela proposta conjunta dos EUA, Canadá e México e pela sede única no Marrocos, que conta com o apoio de países europeus.

    O tweet do presidente dos EUA foi publicado na última quinta-feira. Na mensagem, Trump parece direcionar uma ameaça velada aos países que decidirem apoiar a candidatura marroquina.

    "Os EUA prepararam uma proposta forte com o Canadá e México para a Copa do Mundo de 2026. Seria uma pena se os países que sempre apoiamos fossem fazer lobby contra a proposta dos EUA. Por que devemos apoiar esses países quando eles não nos apoiam (inclusive nas Nações Unidas)?", afirmou.

    A declaração pegou mal e valeu uma bronca nas entrelinhas dada pela própria FIFA, que escolhe a sede de 2026 no dia 13 de junho, em Moscou.

    "Não podemos comentar declarações específicas relacionadas ao processo de licitação", disse a federação em um comunicado reproduzido pelo periódico britânico The Guardian. “Podemos apenas nos referir aos regulamentos da Fifa para a seleção do local para a competição final da Copa do Mundo FIFA 2026 e, em particular, para as regras de conduta da licitação incorporadas a ela".

    As regras de conduta advertem explicitamente contra atividades de governos do país licitante que “possam afetar adversamente a integridade da escolha e criar uma influência indevida no Processo de Licitação”. É notório, porém, que o histórico de desrespeito ao regulamento é extenso. Só para citar um exemplo: o Qatar conseguiu o direito de sediar o torneio de 2022 depois que o então presidente francês, Nicolas Sarkozy orientou o então presidente da UEFA, Michel Platini a votar pela candidatura qatariana. Na ocasião, todas as confederações europeias votaram pelo reino.

    A candidatura marroquina se recusou a comentar o tweet de Donald Trump, mas é provável que os comentários considerados desrespeitosos feitos pelo presidente devem repercutir na decisão. O Marrocos espera cooptar boa parte dos votos das nações africanas após comentários do presidente dos EUA classificando-as como "países de merda". O país também deve contar com o apoio de países do Oriente Médio, da Rússia e da França.

    A seu favor, a candidatura em conjunto dos EUA, Canadá e México conta com a vantagem de possuir infraestrutura quase pronta, além de dividir responsabilidades em um torneio que, pela primeira vez na história, terá 48 seleções participantes.

    Tags:
    Copa do Mundo FIFA 2026, UEFA, FIFA, The Guardian, Donald Trump, Michel Platini, Nicolas Sarkozy, Moscou, Qatar, França, Rússia, África, Marrocos, Estados Unidos, México, Canadá
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik