16:49 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Enrique Peña Nieto, presidente do México, com a bandeira do país durante a festa de Independência

    Senado do México aprova Tratado Integral de Associação Transpacífica

    © REUTERS / Carlos Jasso
    Américas
    URL curta
    511

    O Senado do México ratificou o Tratado Integral e Progressivo de Associação Transpacífica, conhecido como TPP11, após a retirada dos EUA do pacto anterior.

    "É uma decisão estratégica para fortalecer a liderança de mercado do México no mundo, dada a complexa conjuntura atura", disse o Senado em um comunicado.

    Após o voto do público em sessão plenária da Câmara Alta, a secretaria de Economia Economia do governo do presidente Enrique Peña Nieto congratulou "a decisão que hoje levou a soberania do Senado da República a ratificar o Tratado Integral e Progressivo de Associação Transpacífica".

    De acordo com o documento, 11 países da região do Ásia-Pacífico (Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru, Cingapura e Vietnã) irão criar "uma maior zona de comércio livre, com disciplinas modernas que abordam os desafios das vinte primeiras economias do século XXI", diz o comunicado. 

    O México torna-se assim o primeiro país a aprovar o TPP11, que entrará em vigor 60 dias depois de seis países ou 50% dos signatários o terem aprovado e notificado as outras partes.

    A saída dos Estados Unidos significou uma mudança importante para o tratado. Os doze países que compuseram o TPP original constituíam cerca de 40% do Produto Interno Bruto (PIB) em todo o mundo, enquanto que no TPP11, essa cifra caiu para 13,5%. Mesmo assim, o texto continua representando o maior acordo comercial dos últimos 25 anos.

    Mais:

    'Saída dos EUA do TPP pode ser positiva para o Brasil', diz ministro
    Chile propõe acordos bilaterais com membros do TPP, China e Coreia do Sul
    México começará negociações bilaterais do TPP imediatamente após retirada dos EUA
    Trump assina ordem executiva formalizando retirada dos EUA do TPP
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik