07:57 22 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Donald Trump fala ao telefone.

    Ex-chefe da CIA: Rússia tem algo comprometedor contra Donald Trump

    © AP Photo / Alex Brandon
    Américas
    URL curta
    3103

    O ex-chefe da CIA, John Brennan, expressou a opinião de que a Rússia "pode ter algo" contra o presidente norte-americano. Segundo ele, isso explica "a atitude calorosa de Trump" para com o presidente russo Vladimir Putin, escreve o jornal The Hill.

    Brennan fez tal declaração na sequência da conversa telefónica entre os líderes dos dois países, em que Trump felicitou Putin por ocasião da reeleição. Antes, a jornalista do canal NBC, Megyn Kelly, declarou, após a entrevista com o presidente russo, que Moscou poderia ter alguma "informação sobre Trump".

    "Digo que talvez os russos tenham algo e é por isso que Trump fica preocupado. Ele sabe melhor do que todos nós se os russos têm algo contra ele ou não", cita a edição o ex-chefe da CIA.

    Conforme Brennan, é difícil explicar o comportamento do líder norte-americano para com Putin. "Pode-se pensar que realmente há algo", concluiu ele.

    Donald Trump teve uma conversa telefónica com Vladimir Putin, durante a qual deu seus parabéns pela vitória deste nas eleições presidenciais na Rússia. Trump foi quem teve a iniciativa da conversa. Os chefes de Estado discutiram a luta antiterrorista, a estabilidade estratégica, bem como os esforços necessários para conter a corrida armamentista.

    Mais tarde, alguns políticos criticaram a conduta de Trump, aconselhando-o a se abster de conversas com Putin. Mas Trump respondeu que os EUA precisam de boas relações com a Rússia.

    Mais:

    Trump quer reunião com Putin para discutir 'corrida armamentista' entre os dois países
    Sem parabéns: Trump não pretende ligar para Putin após vitória nas eleições
    Trump diz que não está preocupado com eleições na Rússia
    Tags:
    informação, conversa telefônica, CIA, John Brennan, Vladimir Putin, Donald Trump, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik