13:47 25 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Osama bin Laden falando com jornalista em Khost, Afeganistão (foto de arquivo)

    Navy SEAL: governo dos EUA devia publicar fotos verdadeiras do corpo de Bin Laden

    © AP Photo / Mazhar Ali Khan
    Américas
    URL curta
    9411

    O militar Navy SEAL que, segundo se supõe, matou Osama Bin Laden, declarou que todas as fotos acessíveis de seu corpo são falsas e apelou ao governo dos EUA para publicar as imagens reais.

    Em uma entrevista recente, o marinheiro Robert O'Neill que matou Bin Laden ofereceu novos detalhes sobre a operação em Abbottabad contra o líder da organização terrorista Al-Qaeda (proibida na Rússia) que contradizem outros fatos de fontes seguras.

    Fotos falsas

    Em maio de 2011, Navy SEALs realizaram uma operação contra a casa de Bin Laden em Abbottabad, Paquistão, onde eles mataram a tiro o terrorista. O homem que apertou o gatilho declarou que as fotos publicadas pela mídia são falsas e que há ao menos 20 imagens que o governo dos EUA está escondendo do público.

    O'Neill expressou as suas objeções na entrevista ao diário El Mundo para promover o seu futuro livro chamado The Operator (Operador), que será o segundo livro publicado sobre a operação Abbottabad por um dos homens que estiveram lá. Quanto às fotos, ele disse: "Aquelas que foram publicadas até agora são falsas", adicionando que Washington deve começar a publicar algumas fotos verdadeiras.

    Contudo, as exigências foram refutadas pelo Pentágono sob pretexto que o Departamento de Defesa não pode encontrar nenhumas cópias das fotos do corpo de Bin Laden, pois todas delas foram entregues à CIA logo depois da operação.

    Judicial Watch, uma organização conservativa vigilante da atividade governamental, apelou ao tribunal contra a CIA para tentar ganhar acesso a essas imagens em 2012, mas o juiz tomou decisão a favor da CIA, explicando que as fotos divulgadas poderiam comprometer os métodos secretos da CIA e suas fontes, embora o livro de Owen descreva que os SEALs somente tiraram fotos com câmaras comuns.

    Em 2013 o tribunal de apelação apoiou a recusa da CIA de publicar as fotos, aceitando o argumento da administração de Barack Obama que sua divulgação poderia resultar em represálias e ataques de vingança contra os norte-americanos.

    'Crâneo aberto ao meio'

    O'Neill também contou vários detalhes sobre a condição do corpo de Bin Laden que contradiz as prévias versões dos eventos. De acordo com ele, a cabeça do terrorista ficou meio-destruída pelas três balas disparadas da sua arma.

    As descrições de Mark Owen, que foi o segundo homem a ver Bin Laden morto, diferem muito das de O'Neill. Ele diz lembrar-se muito bem do nariz de Bem Laden, enquanto O'Neill declara que essa parte do rosto foi destruída.

    Além disso, Owen não disse nada sobre a necessidade de juntar as partes do crâneo de Bin Laden, enquanto O'Neill afirma que os militares tiveram que juntar ambas as partes da cabeça para tirar as fotos.

    Isso significa que as versões dos dois homens que foram os primeiros a ver Bin Laden morto contradizem uma à outra.

    Ao mesmo tempo, no filme feito com ajuda da CIA chamado A Hora Mais Escura, a cabeça e rosto de Bin Laden são mostrados quase intatos e ninguém junta as partes do seu crâneo antes de tirar as fotos.

    Apesar destas contradições, Owen e O'Neill estão seguros de terem morto o homem certo. "Apesar de tudo, ele podia ser reconhecido. Não tinha a mínima dúvida de que era ele", contou O'Neill ao El Mundo.

    Mesmo assim, a discrição oferecida por O'Neill pode causar mais especulações sobre a operação e se na verdade foi Bin Laden que foi morto pela equipe Navy SEAL.

    Mais:

    Al-Qaeda prega apoio aos palestinos contra 'desafio ao mundo muçulmano' imposto pelos EUA
    Osama bin Laden teria acordo com o Irã para atacar Arábia Saudita, diz a CIA
    Filho de bin Laden publica mensagem sobre Al-Qaeda na Síria
    Tags:
    fotos, terrorista, corpo, morte, operação, Al-Qaeda, CIA, Navy Seals, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik