01:35 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Presidenciável democrata Hillary Clinton ouve enquanto ela é anunciada em um comício de campanha em Las Vegas, em Nevada, EUA, em 2 de novembro de 2016

    Mulheres brancas foram 'forçadas' a votar em Trump por maridos e filhos, garante Hillary

    © REUTERS / Brian Snyder
    Américas
    URL curta
    1105

    As desculpas da democrata Hillary Clinton para explicar a sua derrota nas eleições para o republicano Donald Trump continuam. A ex-candidata à Presidência dos EUA já afirmou que eleitoras foram pressionadas a votar em Trump por seus maridos, filhos e chefes.

    Clinton estava falando em um evento em Mumbai, na Índia, quando ela expôs a última desculpa sobre por que perdeu a eleição para um apresentador de reality show e suposto agressor sexual.

    A mulher que procurou esmagar o último teto de vidro agora culpou a sua perda em razão das mulheres brancas casadas que votaram em Trump porque os homens de suas vidas lhes disseram para fazê-lo.

    Perguntado pelo editor do jornal India Today, Aroon Purie, por que ela pensa que mais de 50% das mulheres brancas votaram em favor de Trump, Clinton deu a sua opinião.

    "Nós não fomos bem entre homens brancos e não fomos bem entre mulheres casadas e brancas. [As razões podem ser] uma identificação com o Partido Republicano e uma espécie de pressão contínua para votar da maneira que seu marido, seu chefe, seu filho acreditam que você deveria", disse.

    Clinton pinta um cenário em que muitas mulheres americanas brancas queriam votar nela, mas foram pressionadas para não fazê-lo. Isso ignora os muitos outros fatores que fez Clinton perder o voto das mulheres brancas, incluindo o fracasso do Partido Democrata em atrair os mais afetados pela recessão, a falta de mensagem de sua campanha e sua dependência de dados sobre campanhas. Isso sem mencionar ainda a falta de confiança em Clinton como resultado do uso de um servidor de e-mail privado, denunciado durante o pleito.

    Clare Malone, do site FiveThirtyEight, explicou dias após as eleições que "a deslumbrante perda de Clinton na noite de terça-feira mostrou que questões de cultura e classe importaram mais para muitas mulheres americanas do que seu gênero".

    Esta não é a primeira vez que Clinton diminuiu as eleitoras para explicar as falhas de sua campanha. Clinton afirmou no passado que Sheryl Sandberg disse a ela: "As mulheres não terão empatia por você, porque estarão sob tremenda pressão — e estou falando principalmente sobre mulheres brancas — tremenda pressão de pais e maridos e namorados e empregadores do sexo masculino não para votar pela menina".

    Falando para o site Vox em setembro, Clinton declarou "evidência anedótica" de que as mulheres foram instadas a não votar nela depois do anúncio do ex-diretor do FBI, James Comey, de que a agência examinaria novamente seus e-mails semanas antes da eleição.

    "Você sabe, de repente, o marido se volta para a esposa: 'Eu lhe disse, ela vai estar na prisão, você não quer perder o seu voto'. O namorado se volta para a namorada e diz: 'Ela vai para prisão!'. De repente, torna-se um tipo de experiência conflituosa muito cheia. E então, em vez de dizer que estou tentando, vou votar, não funcionou", afirmou Clinton.

    Mais:

    Hillary Clinton: marcha das mulheres demonstra 'resiliência' e 'poder'
    Vencedora do Oscar garante: se Hillary Clinton tivesse vencido, estaríamos em guerra
    Após culpar russos, Hillary Clinton diz que Obama contribuiu para sua derrota nos EUA
    Tags:
    derrota, Partido Republicano, Partido Democrata, política, Eleições dos EUA 2016, James Comey, Sheryl Sandberg, Clare Malone, Aroon Purie, Donald Trump, Hillary Clinton, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik