10:41 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    O porta-aviões norte-americano USS Gerald R. Ford

    Porta-aviões mais caro na história resulta não estar pronto para serviço

    © AP Photo/ U.S. Navy / Mass Communication Specialist 2nd Class Ridge Leoni
    Américas
    URL curta
    970

    Menos de um ano atrás, o novíssimo porta-aviões de propulsão nuclear USS Gerald R. Ford saiu dos estaleiros para ser entregue à Marinha dos EUA durante uma cerimônia assistida pelo presidente norte-americano Donald Trump. No entanto, segundo relatórios recentes, o futuro deste "gigante marinho" permanece incerto.

    A Marinha pediu ao Secretário de Defesa, James Mattis, para adiar os testes de choque do USS Gerald R. Ford (CVN-78) por ao menos 6 anos, até o segundo navio da mesma classe, USS John F. Kennedy (CVN-79), ser entregue. Desta forma, espera-se acelerar a entrega da última embarcação, que está agendada para 2024.

     Os testes de choque consistem basicamente na colocação de minas debaixo de água perto do navio e sua detonação para ver se todos os sistemas da embarcação podem continuar operando após a sacudida. Os resultados são utilizados para avaliar as vulnerabilidades do navio e, caso seja necessário, aperfeiçoar as futuras unidades – como o USS John F. Kennedy.

    A decisão sobre o cancelamento dos testes está nas mãos de James Mattis. O dilema do Pentágono é adotar em serviço um navio que não passou os testes necessários ou cruzar os dedos e esperar que a embarcação mais cara na história não sofra nenhum contratempo que pudesse ter sido detectado nos testes.

    De setembro de 2015 a julho de 2017, um grupo de especialistas em testes operacionais efetuou uma avaliação das capacidades do porta-aviões USS Gerald R. Ford. Seus resultados foram publicados no relatório anual do diretor de testes operacionais do Departamento de Defesa, Robert Behler.

     "O nível de confiabilidade baixo ou difícil de avaliar demonstrado pelas catapultas do novo projeto, o cabo de desaceleração, elevadores de armas e radar, sendo estes fundamentais para as operações de voo, podem afetar as capacidades do porta-aviões para assegurar a frequência necessária de voos de aviões, tornarão a embarcação mais vulnerável e limitarão as operações de rotina", assinalou o documento. 

    Era precisamente o novo equipamento de convés que devia representar uma das vantagens do porta-aviões da classe Gerald R. Ford em comparação com seus antecessores. De acordo com os desenvolvedores do navio, suas quatro catapultas eletromagnéticas e o novo equipamento de desaceleração com um sistema de controle automatizado deveriam assegurar que o porta-aviões recebesse a bordo todas as aeronaves embarcadas. Contudo, de acordo com o relatório, são exatamente esses sistemas que tornam a embarcação vulnerável.

    Em maio de 2017, foi o próprio Donald Trump que, em entrevista à Time, criticou o novo sistema de catapultas do navio, afirmando que “há que ser um Albert Einstein para entender isso […] Vocês vão manter o maldito sistema de vapor, o digital custa centenas de milhões de dólares e não é bom”.

    E não se trata das únicas “desvantagens” do USS Gerald R. Ford. Em outro relatório observa-se que o navio não proporciona acomodações para todos os tripulantes. Para uma tripulação contabilizada em 4.758 pessoas, que asseguram o funcionamento a 100% do porta-aviões, foram projetados somente 4.660 espaços de alojamento. E esse pequeno problema não pode ser resolvido nem por meio da digitalização, nem com o novíssimo equipamento de desaceleração que o navio incorpora.

    Mais:

    Porta-aviões estadunidense chega ao Vietnã pela primeira vez em 40 anos
    Uhu! Eis o que sente piloto decolando de porta-aviões em poucos segundos
    Novo super porta-aviões dos EUA não é capaz de cumprir tarefas básicas?
    Tags:
    serviço, testes, problemas, porta-aviões, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik