19:56 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Logotipo da CIA

    CIA interferiu em inúmeras eleições estrangeiras, diz New York Times

    © AFP 2018 / Saul Loeb
    Américas
    URL curta
    12142

    A Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos (CIA) conseguiu intrometer-se em uma grande quantidade de eleições de países estrangeiros ao longo dos anos, como Guatemala, Sérvia e Irã, entre outros, segundo informaram funcionários da CIA ao jornal The New York Times.

    Na sexta-feira (16), o Departamento de Justiça dos EUA divulgou por meio de documentos judiciais que os Estados Unidos acusaram 13 cidadãos russos e 3 empresas de tentarem interferir nas eleições presidenciais de 2016. 

    A acusação de 27 páginas, um produto do inquérito do advogado especial Robert Mueller, alegou que esses acusados usavam personagens falsos para tentar influenciar o resultado das eleições a favor do presidente Donald Trump.

    "Se você perguntar a um oficial de inteligência, 'os russos violaram as regras ou fizeram algo estranho [?]', a resposta é não, de modo algum", disse, ao The New York Times, Steven L. Hall, ex-chefe das operações da CIA na Rússia. Ele se aposentou em 2015, após 30 anos de serviço. Na declaração ele ainda afirma que Washington "absolutamente" se intrometeu em eleições estrangeiras ao longo da história.

    O ex-funcionário da inteligência expressou que acredita que os Estados Unidos continuarão sua prática interferente, informou o jornal no final deste sábado (17).

    "Nós temos feito esse tipo de coisa desde que a CIA foi criada, em 1947. […] Nós usamos cartazes, panfletos, correios, banners — o que você imaginar. Criamos informações falsas em jornais estrangeiros. Utilizamos o que os britânicos chamam de 'cavalaria do rei George': malas de dinheiro", afirmou Loch K. Johnson, ex-membro do Comitê seleto do Senado dos EUA para estudar operações governamentais em relação às atividades de inteligência.

    Ao interferir nas eleições, a CIA ajudou a derrubar líderes eleitos no Irã e na Guatemala na década de 1950, ao mesmo tempo em que planeja assassinatos de líderes políticos em várias regiões, de acordo com o jornal.

    Os Estados Unidos acusaram repetidamente a Rússia de interferir nas eleições presidenciais de 2016 e está investigando alegações de conluio entre a Rússia e a campanha do então candidato a presidente, Donald Trump.

    As autoridades russas negaram as acusações de intromissão na eleição dos EUA. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que as acusações são "absolutamente infundadas". Por sua vez, a Casa Branca também reiterou que não há nenhuma prova que sustente as alegações de conluio entre a campanha de Trump e Moscou durante a eleição.

    Mais:

    EUA não apresentaram evidências de interferência russa nas eleições, diz enviado de Moscou
    Trump rebate acusações de interferência russa nas eleições
    Venezuela acusa EUA de interferência em eleições no país
    Tags:
    interferência russa, eleições 2016, CIA, Dmitry Peskov, Loch K. Johnson, Robert Mueller, Irã, Sérvia, Guatemala, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik