05:34 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    310
    Nos siga no

    O FBI reconheceu nesta sexta-feira (17) que não agiu após receber informações de que o principal suspeito do tiroteio que deixou 17 pessoas mortas em uma escola da Flórida nesta semana tinha uma arma e o desejo de matar.

    Em comunicado, o FBI afirmou que a informação sobre Nikolas Cruz, de 19 anos, foi repassada em ligação telefônica por alguém próximo a ele e deveria ter sido investigada — mas não foi. 

    O xerife do Condado de Broward, Scott Israel, disse ter recebido mais de 20 ligações sobre Cruz nos últimos dois anos.

    O procurador-geral dos EUA, Jeff Sessions, disse que o tiroteio foi uma "consequência trágica" do fracasso do FBI e ordenou uma revisão dos processos do Departamento de Justiça. Para Sessions, a polícia federal dos EUA perdeu sinais de alerta. 

    O diretor do FBI, Christopher A. Wray, disse que está "comprometido a entender o que aconteceu" e que a organização recebeu uma média diária de 2.101 ligações em 2017. 

    O governador da Flórida, Rick Scott, pediu a renúncia de Wray. 

    "Dezessete pessoas inocentes estão mortas e reconhecer um erro não será o suficiente. Uma desculpa nunca devolverá a vida a estas 17 pessoas e nem consolará as famílias que sofrem. As famílias passarão uma vida perguntando-se como pôde acontecer isso e uma desculpa nunca dará as respostas que elas necessitam desesperadamente."

    Mais:

    Trump rebate acusações de interferência russa nas eleições
    Atriz pornô Stormy Daniels agora está livre para falar tudo sobre Trump
    Justiça dos EUA bloqueia ordem de Trump que deportaria mais de 800 mil imigrantes
    Trump diz a Putin: boa hora para resolver conflito entre Israel e Palestina
    Governo Trump propõe comercializar baixa órbita terrestre
    Casa Branca nega que Trump tenha discutido planos de anexação da Cisjordânia por Israel
    Tags:
    Departamento de Justiça, FBI, Jeff Sessions, Christopher A. Wray, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar