16:31 21 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Maquete de míssil nuclear Minuteman III usado para treinamento de equipes de manutenção de mísseis é visto na base da Força Aérea F. E. Warren, Wyo. ( foto de arquivo)

    Nova doutrina nuclear dos EUA vai enriquecer empresas vinculadas a Mattis, diz ativista

    © AP Photo / Robert Burns
    Américas
    URL curta
    1 0 0

    A nova Revisão de Postura Nuclear dos EUA (NPR, na sigla em inglês) aumentará os lucros para os principais empreiteiros militares, incluindo um que empregou anteriormente o homem que dirigiu a revisão, o secretário de Defesa James Mattis, afirmou à Sputnik o ativista Jan Weinberg.

    Washington lançou na última sexta-feira a NPR de 2018, que prevê uma maior modernização do armamento nuclear dos EUA, provocando medos entre observadores internacionais e políticos.

    "Eu mantive isso em mente quando leio o documento do Pentágono […] liberação da Revisão da Postura Nuclear de 2018, conforme fornecido pelo secretário de Defesa geral Jim Mattis, que… Mattis já havia sido empregado pela General Dynamics, que é uma empresa envolvida na fabricação de armas nucleares", disse Weinberg.

    Weinberg, que é o fundador da Show Up! América, uma organização sem fins lucrativos, disse que as contínuas guerras em curso do governo dos EUA em todo o mundo e seus renovados programas de armamento convencional e nuclear estão se provando muito rentáveis para os executivos e acionistas das corporações do setor de armamentos.

    Os membros do Congresso, muitos dos quais receberam inúmeras contribuições de campanha dos contratados de defesa e que queriam levar as suas operações aos seus próprios distritos locais, não estavam dispostos a fazer perguntas críticas sobre o acúmulo militar, afirmou o ativista.

    A nova NPR também beneficiou a Lockheed Martin, que está profundamente envolvida na fabricação de armas nucleares e que também faz com que os caças F-35 Lightning II ultra-caros, comentou Weinberg.

    "Não deveria ser uma surpresa que um plano de longo prazo estabelecesse que os jatos de combate F-35 da Lockheed Martin fossem facilmente adaptados para transportar cargas de armas nucleares, dado que Lockheed Martin é um dos fabricantes de armas nucleares", afirmou.

    As corporações da indústria de armamento dos EUA tiveram uma influência direta sobre a definição de objetivos de política externa, observou Weinberg.

    A nova doutrina não marcou uma partida ou uma mudança na política de defesa dos EUA, mas sim uma extensão das políticas e tendências que se desenvolveram sob os presidentes anteriores, George W. Bush e Barack Obama, lembrou.

    "É importante entender que a corrida armamentista, incluindo a ameaça de armas nucleares, entre os Estados Unidos e a Rússia e a China, está em jogo há bastante tempo, mesmo durante a administração Obama", afirmou.

    Obama foi premiado com o Prêmio Nobel da Paz logo depois de se tornar presidente. No entanto, ele promoveu um boicote às deliberações das Nações Unidas para proibir armas nucleares e até mesmo colocou em movimento — bem antes de Trump assumir o cargo – uma renovação de US$ 1 bilhão do arsenal de armas nucleares, acrescentou Weinberg.

    "Em outras palavras — a NPR do Pentágono não é novidade, embora extremamente míope e perigosa", concluiu.

    Mais:

    Ex-secretário: ação nuclear dos EUA levará à corrida nuclear e fará Washington romper INF
    Ex-chefe do Pentágono: com doutrina nuclear, EUA incentivam cooperação militar sino-russa
    Berlim: EUA provocam uma nova corrida nuclear
    Tags:
    armas nucleares, corrida armamentista, militares, programa nuclear, NPR, General Dynamics Electric Boat, Lockheed Martin, Show Up! América, James Mattis, Jan Weinberg, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik