12:05 21 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Reunião entre o presidente ucraniano, Pyotr Poroshenko, e o vice-presidente dos EUA, Joe Biden em Davos (Suíça)

    Revelações de Biden: vice de Obama diz que tentou fazer ex-presidente da Ucrânia renunciar

    © Sputnik / Mikhail Palinchak
    Américas
    URL curta
    826

    O ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, exigiu bruscamente que o ex-presidente ucraniano, Viktor Yanukovich, renunciasse em 2014, revelou o político estadunidense em seu novo livro. Ele também confirmou que os EUA estavam profundamente envolvidos nos assuntos de Kiev durante a crise daquele ano.

    Desde o início da crise da Ucrânia, os EUA procuraram dirigir Yanukovich em seu tratamento contra os tumultos na Praça Maidan, que eventualmente levou a um golpe na Ucrânia, diz Biden em seu novo livro intitulado "Promete-me, papai: um ano de esperança, dificuldade e propósito", que foi publicado em novembro, mas agora foi trazido ao foco da mídia em conexão com o papel dos EUA na crise.

    Na publicação, Biden revela que repetidamente acionou o então presidente ucraniano, dizendo-lhe o que deveria ou não deveria fazer.

    Em algum momento, Biden exigiu que Yanukovich, um líder legitimamente eleito de uma nação soberana, renunciasse porque ele "perdeu a confiança do povo ucraniano" do ponto de vista de Washington. "Eu estava dizendo a ele [Yanukovich] que acabou. [Era o] tempo para ele chamar seus pistoleiros e se afastar", escreve Biden em seu livro, referindo-se à "última de suas [chamadas] urgentes a Yanukovich no final de fevereiro de 2014".

    O ex-vice-presidente dos EUA também afirma que foi Yanukovich e suas leais forças de aplicação da lei que foram responsáveis pelo massacre de Kiev em 2014. De fato, os eventos em que atiradores isolados derrubaram dezenas de manifestantes e vários policiais no centro de Kiev, permanecem em grande parte não resolvidos há quase quatro anos. A investigação da tragédia foi, de fato, colocada no segundo plano pelas novas autoridades ucranianas.

    Inicialmente, a investigação chegou a vários suspeitos, sendo todos eles membros da polícia anti-motim de Berkut, embora seja notório desde o início que os tiros do atirador vieram inicialmente de posições controladas por manifestantes. Mais tarde, o chefe de um comitê que examinou os assassinatos em massa mencionou "organizações públicas não identificadas" como possíveis culpadas, mas nenhuma acusação foi oferecida.

    Esses fatos, entretanto, nunca impediram Biden de acusar Yanukovich de "perder sua polícia anti-motim nas ruas de Kiev […] para assassinar manifestantes" e declarar o presidente ucraniano o principal culpado da crise.

    Biden sobre o governo Poroshenko: Líderes de "brigas" com "propensão à corrupção"

    Mesmo que o novo governo ucraniano, que chegou ao poder após o golpe, fosse muito mais agradável para os funcionários dos EUA, não conquistou elogios particulares do ex-vice-presidente dos EUA. Biden aponta o ex-primeiro-ministro ucraniano Arseny Yatsenyuk como "um jovem patriota" e chama a atenção para os esforços para apoiar a "emergente democracia ucraniana", mas ao mesmo tempo se queixa de "brigas" nas elites ucranianas e sua relutância em colocar "lealdade para o país" sobre seus interesses pessoais.

    "Eu passei meses trocando telefonemas com o presidente Pyotr Poroshenko e Yatsenyuk, tentando convencê-los cada um, separadamente, para fazer lealdade ao país com lealdade ao partido político", escreve Biden, referindo-se ao presidente ucraniano Poroshenko ao lado de Yatsenyuk, quem foi eventualmente demitido do governo em 2016. Ele também menciona repetidamente a "falta de vontade persistente dos dois políticos para trabalharem juntos".

    A corrupção generalizada na Ucrânia parece ser outra questão que constantemente irritou Biden. O ex-vice dos EUA admite que ele teve que ser "duro com Poroshenko desde sua eleição" e constantemente o instava a "continuar a combater os elementos de corrupção que estavam inseridos na cultura política da governança soviética e pós-soviética da Ucrânia", particularmente envolvendo o próprio partido do presidente.

    Biden afirma que foi longe em cada passo das autoridades ucranianas. "Agora você tem que colocar as pessoas na prisão", Biden diz que ele disse a Yatsenyuk quando o oficial ucraniano veio para os EUA. Ele também admite que "estava no telefone com Poroshenko ou Yatsenyuk, ou ambos, quase todas as semanas" por meses.

    No entanto, Biden acredita que o atual governo ucraniano "exibiu uma propensão para a corrupção, auto-negociação e comportamento autodestrutivo". Ele também aponta que a Europa estava de fato relutante em apoiar a ideia de sanções anti-russas e ele teve que repetidamente lembrar Poroshenko "para não dar aos europeus qualquer desculpa para se afastarem do regime de sanções contra a Rússia".

    Na verdade, as sanções anti-russas parecem ter sido de particular importância para Biden, pois ele parecia muito mais preocupado em mantê-las em vigência do que com os seus aliados europeus.

    Biden também admite que ele teve uma opinião ruim sobre os Acordos de Minsk destinados a promover a paz na Ucrânia. No entanto, ele parece não entender seu propósito, descrevendo o acordo inicial de 2014 como algo que "fez pouco para segurar o presidente russo Vladimir Putin".

    Biden acredita que a Rússia — que nem sequer é parte do tratado — não está cumprindo seus compromissos nos termos dos acordos. Os Acordos de Minsk negociados pela OSCE entre representantes de Kiev e as regiões rebeldes separadas do leste da Ucrânia foram divulgados pela Ucrânia, Rússia, França e Alemanha, e constituíram a base para um cessar-fogo duradouro. No entanto, a implementação do acordo foi amplamente interrompida pela recusa de Kiev de defender sua parte, incluindo anistia para combatentes rebeldes e status autônomo especial para as regiões que controlam.

    Mais:

    Ministro alemão: Turquia e Ucrânia não se juntarão à União Europeia no futuro próximo
    'Passo para a guerra': Rússia opõe-se ao fornecimento de armas letais pelos EUA à Ucrânia
    Vice-chanceler russo: 'EUA cruzaram todos os limites ao vender armas letais à Ucrânia'
    Tags:
    corrupção, política, diplomacia, crise ucraniana, conflito ucraniano, Acordos de Minsk, União Europeia, Pyotr Poroshenko, Arseny Yatsenyuk, Viktor Yanukovich, Joe Biden, Ucrânia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar