22:57 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Pessoas se manifestam nas ruas de Bogotá, por ocasião da assinatura do novo acordo de paz entre o governo e as FARC, 25.11.2016

    Explosão de granada deixa 30 feridos em boate na Colômbia

    © REUTERS / Felipe Caicedo
    Américas
    URL curta
    0 02

    Granada foi lançada na cidade de Caucasia, na região de Antioquia, segundo fontes oficiais ouvidas pela mídia local. Ao menos 30 pessoas ficaram feridas, dentre elas 11 gravemente. Dois suspeitos foram presos.

    Especula-se que os responsáveis façam parte do grupo paramilitar Autodefensa Gaitanista de Colombia.  Vídeos publicados no Youtube mostram a movimentação da polícia e grupos de resgate no local logo após a explosão. 

    "Há uma mulher já presa que foi quem entrou com a granada noa boate, ela confessou e esperaramos agora capturar os outros responsáveis", disse a uma rádio local o prefeito da cidade de Caucasia, Óscar Aníbal Suárez.

    O prefeito apontou a responsabilidade do ataque como sendo de um "sicário de 23 anos", acusado de outros ataques na região. O homem faria parte de um grupo de sicários que atua na área.

    As primeiras versões apresentadas pelas autoridade apontam que o ataque teria sido provocado pelo Clã do Golfo, também conhecido como Autodefensa Gaitanista de Colombia. Essas mesmas pessoas teriam sido responsáveis pelo lançamento de outra granada em uma casa do bairro Asovienda na tarde da quinta-feira (28), mas o explosivo não fora detonado, segundo a mídia local.

    Em outro vídeo publicado no Twitter é possível ouvir pessoas dentro da boate logo após a explosão.

     

    Mais:

    Colômbia: empresários poderão pagar parte de seu imposto de renda com obras públicas
    Tropas do Brasil, Peru e Colômbia treinam na Amazônia com apoio dos EUA
    Guerrilheiros da ELN matam russo sequestrado na Colômbia
    Tags:
    forças paramilitares, paramilitarismo, Autodefensa Gaitanista de Colombia, Clã do Golfo, Óscar Aníbal Suárez, Antioquia, Caucasia, Colômbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik