07:45 22 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Nobre Santuário ou Monte do Templo, na Cidade Velha de Jerusalém

    Senador ironiza Trump: Votação na ONU sobre Jerusalém mostra uma 'América sozinha'

    © REUTERS / Eliana Aponte/File Photo
    Américas
    URL curta
    A aventura da capital de Israel (85)
    21245

    Os EUA ficaram quase sozinhos no cenário mundial quando a Assembleia Geral da ONU condenou esmagadoramente a decisão unilateral do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e mover a embaixada dos EUA de Tel Aviv para a cidade sagrada, disse o senador Patrick Leahy em uma nota de imprensa.

    "Como foi bem observado, esta não é a América primeiro, apenas a América sozinha", disse Leahy, do Partido Democrata, no documento divulgado na quinta-feira.

    No início do dia, a Assembleia Geral da ONU apontou uma votação de 128 a 9 em favor de uma resolução que criticou a decisão dos EUA em relação a Jerusalém, estipulando que o status da cidade ainda não resolvido até que os negociadores israelenses e palestinos resolvam suas diferenças.

    A resolução foi introduzida pela Turquia, presidente do comitê executivo da Organização de Cooperação Islâmica de 57 países e com o Iêmen, líder do bloco árabe das Nações Unidas.

    Quando os discursos na Assembleia Geral terminaram, mas antes da votação, mais de três dúzias de nações assinaram como co-patrocinadores da resolução, principalmente do mundo árabe e outras nações muçulmanas da maioria.

    Vinte e dois dos 28 países da União Europeia (UE) também votaram para condenar os Estados Unidos, incluindo o Reino Unido, a França e a Alemanha, que se abstiveram nas resoluções passadas das Nações Unidas criticando Israel.

    Apenas sete nações apoiaram os Estados Unidos e Israel: Togo, Micronésia, Nauru, Palau, Ilhas Marshall, Guatemala e Honduras.

    Trinta e cinco países se abstiveram, incluindo cinco nações da UE, bem como outros aliados dos EUA, incluindo Austrália, Canadá, Colômbia e México. Vários dos abstêmios, incluindo o México, no entanto, usaram seu tempo no pódio para criticar a decisão dos EUA sobre Jerusalém.

    Tema:
    A aventura da capital de Israel (85)

    Mais:

    Erdogan: 'EUA não podem comprar o voto da Turquia' para reconhecer Jerusalém
    EUA vai cortar ajuda bilionária a países que votarem contra decisão sobre Jerusalém
    Por que EUA vetaram resolução da ONU sobre Jerusalém?
    Tags:
    repúdio, diplomacia, embaixada, União Europeia, Assembleia Geral da ONU, Donald Trump, Patrick Leahy, Palestina, Israel, Jerusalém, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik