16:44 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Um grupo de lançadores múltiplos de foguetes M-1985 do Exército Popular da Coreia é visto durante desfile militar em Pyongyang (foto de arquivo)

    Analista: enquanto houver conflitos, EUA ganham com isso

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Américas
    URL curta
    480

    Moscou espera que os EUA e a Coreia do Norte comecem a dialogar. Contudo, de acordo com o especialista Yevgeny Kim, Washington ganha economicamente enquanto mantém a tensão em diferentes regiões e dificilmente poderá iniciar conversações.

    Moscou espera que Washington e Pyongyang iniciem o diálogo ao invés de continuar estabelecendo condições para isso, afirmou o vice-chefe do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, comentando a iniciativa do secretário-geral da ONU para estabelecer canais de mediação para um diálogo entre os EUA e a Coreia do Norte.

    "Claro que nós queríamos que Washington e Pyongyang encarassem com seriedade esta proposta e parassem de promover suas ambições […] tentando analisar a situação com uma abordagem mais ampla e profunda e acabar com a situação de beco sem saída", afirmou o vice-chefe do ministério russo.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o especialista em ciências políticas, Yevgeny Kim, opinou que os EUA ganham com a manutenção de tensões em diferentes regiões, incluindo na península coreana.

    "Para os EUA é bastante vantajoso manter a tensão em diversas regiões, principalmente do ponto de vista econômico. Em alguns lugares há conflitos em curso, mas os Estados Unidos estão tranquilos, já que sua moeda está se reforçando, a economia norte-americana está crescendo. Como ganham os estadunidenses? Em meio às tensões [na península coreana] Trump visitou o Japão e a Coreia do Sul e persuadiu estes países a comprar armas aos EUA gastando dezenas de bilhões de dólares. Tudo isso pode ser qualificado como o uso hábil de tensões em diversas regiões a fim de vender armas, criar empregos, o que gira rendimento adicional para as empresas estadunidenses, principalmente, para o complexo militar-industrial", assinalou Evgeny Kim.

    Ultimamente, a Coreia do Norte vem desenvolvendo seu programa nuclear, justificando suas ações com a ameaça por parte dos EUA. As sanções da ONU, cada vez mais duras, são incapazes de acabar com esta atividade de Pyongyang.

    Em 29 de novembro, a Coreia do Norte realizou seu último teste nuclear. Pyongyang afirmou que agora o país passou a ser capaz de lançar um ataque contra qualquer ponto dos EUA.

    Anteriormente, a Rússia e a China se manifestaram a favor de uma moratória simultânea sobre o programa nuclear e de mísseis norte-coreano e os exercícios conjuntos dos EUA e da Coreia do Sul, contudo, Washington ignorou esta iniciativa.

    Mais:

    Analista avalia capacidade naval dos EUA em possível combate com Coreia do Norte
    Vai colar? Presidente sul-coreano diz que Coreia do Norte também ameaça a China
    Arma do regime: mais uma razão para temer a Coreia do Norte
    Tags:
    conflito, economia, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik