04:15 25 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Cannabis

    OMS para os EUA: 'Vocês estão completamente errados quanto à maconha'

    © AP Photo/ Jeff Chiu
    Américas
    URL curta
    1587

    O órgão para o combate às drogas dos EUA, o DEA, continua a argumentar após décadas de pesquisa que a maconha é tão perigosa quanto a heroína.

    A Organização Mundial da Saúde (OMS) se manifestou por meio de um relatório preliminar sobre o tema. No documento, pesquisadores rebatem a tese do DEA quanto ao canabidiol, substância não-psicoativa da maconha muito utilizada para tratamento de convulsões crônicas e mal de Parkinson. Para autoridades dos EUA, o medicamento se enquadra na Lista I de substâncias, uma categoria de produtos que não tem valor fitoterápico e que podem causar dependência.

    O Comitê de Peritos da OMS em Dependência de Drogas (ECDD) concluiu que o canabidiol tem um potencial muito baixo de abuso e, de fato, apresenta vários benefícios medicinais. Um produto de cannabidiol chamado Epidiolex está atualmente na terceira fase de testes para o tratamento da epilepsia.

    Ao contrário do tetraidrocanabinol (THC), o componente na maconha que cria as sensações delírios e deixa as pessoas eufóricas, o uso de cannabidiol sozinho não proporciona o mesmo efeito. De fato, acredita-se que o canabidiol afeta o sistema endocanabinoide, um grupo de neurotransmissores que se ligam aos receptores do sistema nervoso e afetam várias respostas psicológicas, incluindo o apetite, a dor, o humor e a inflamação do tecido.

    Além disso, de acordo com o ECDD, há dados preliminares de que o canabidiol pode tratar a doença de Alzheimer, doença de Parkinson, ansiedade, dor, náuseas, doenças inflamatórias intestinais e artrite reumatoide. Há até alguns dados que sugerem que a substância  poderia ajudar os viciados a abandonar o uso de opiáceos.

    Nos estudos atuais sobre animais e seres humanos, de acordo com a OMS, não há evidências de que o cannabidiol tenha propriedades tóxicas ou que seja capaz de causar dependência. O ECDD concluiu que os dados existentes "não justificam a legislação do canabidiol".

    Em dezembro do ano passado, a DEA gerou um novo código de drogas para compostos de maconha, incluindo canabidiol puro, indicando que a agência, ignorando todas as evidências modernas, não modificaria sua posição de que os extratos de maconha fossem agrupados junto com drogas prejudiciais, incluindo heroína e cocaína.

    Tags:
    epilepsia, mal de Parkinson, Canabidiol, THC, tetraidrocanabinol, ECDD, Comitê de Peritos da OMS em Dependência de Drogas, DEA, Organização Mundial da Saúde, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik