16:40 18 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente de Venezuela

    General é a esperança de Maduro para mais petróleo e menos corrupção na PDVSA

    © REUTERS/ Marco Bello
    Américas
    URL curta
    540

    O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, aprovou neste domingo o nome de um importante general da Guarda Nacional para liderar a companhia estatal de petróleo PDVSA e o ministério do petróleo do país na OPEP, no que ele disse ser uma tentativa de limpar o setor de energia após uma série de escândalos de corrupção.

    "Chegou o momento para uma nova revolução do petróleo", disse Maduro em seu programa televisivo semanal, instando o general Manuel Quevedo a expurgar a PDVSA da corrupção e a impulsionar a produção de petróleo, melhorar as refinarias e aumentar o abastecimento local de gasolina.

    Quevedo, que se descreve no Twitter como "soldado das pessoas, um chavista e apoiador do presidente Nicolás Maduro", não é uma figura política proeminente na Venezuela.

    O general está assumindo o cargo em Petróleos de Venezuela, S.A. (comumente conhecido como PDVSA) de Nelson Martinez, um químico por treinamento, e no Ministério do Petróleo de Eulogio Del Pino, um engenheiro educado em Stanford (EUA).

    Enquanto os dois demissionários haviam supervisionado um declínio acentuado na produção de petróleo, os analistas de petróleo os viam em grande parte como figuras tranquilizadoras em um momento de mais nomeações políticas e militares na PDVSA.

    Não ficou claro como o Quevedo, um ex-ministro da Habitação, planeja aumentar a produção de petróleo, perto de uma baixa de 30 anos, em meio a uma profunda recessão e sanções dos EUA que impediram o acesso da Venezuela aos bancos internacionais.

    Francisco Monaldi, um colega da política energética latino-americana no Instituto Baker em Houston, opinou: "Os militares finalmente conseguiram seu objetivo de controlar a PDVSA". E ele disse que pensava que as dificuldades enfrentadas pela indústria petrolífera do país piorariam.

    Mais:

    Opinião: Rússia estende a mão à Venezuela, enquanto outros a afundam
    Ex-prefeito de Caracas foge de prisão domiciliar na Venezuela e embarca rumo à Espanha
    Ministro do Brasil alerta: intervenção estrangeira só agravará crise na Venezuela
    Tags:
    crise na venezuela, corrupção, petróleo, PDVSA, Eulogio del Pino, Nelson Martinez, Manuel Quevedo, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik