10:15 29 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    203
    Nos siga no

    O assessor especial da Casa Branca e genro de Donald Trump, Jared Kushner, está sendo cobrado pelo Comitê do Judiciário dos EUA a entregar documentos que contribuam para as investigações da interferência russa nas eleições presidenciais de 2016.

    Congressistas exigem que Kushner entregue as cópias das conversas com o ex-assessor de segurança nacional, Michael Flynn, demitido por Trump após mentir ao vice-presidente, Mike Pence, sobre encontros realizados com o então embaixador da Rússia, Sergei Kislyak, antes da posse oficial de Trump como presidente. Ele enfrenta a abertura de uma investigação criminal pelo conselheiro Robert Mueller, responsável pelo caso de interferência russa no pleito do ano passado.

    O Comitê deu prazo até 27 de novembro para a entrega dos dados. Também foram solicitados os e-mails ttrocados entre Donald Trump Jr. e o portal de vazamento de arquivos confidenciais Wikileaks. Nesta semana, a revista The Atlantic revelou com exclusividade a relação entre o filho mais velho do presidente e a equipe de Julian Asange.

    O presidente do Comitê, o republicano Chuck Grassley e a democrata Dianne Feinstein fizeram críticas públicas a Kushner na tarde de ontem, alegando que ele "não tem sido muito acessível" aos trabalhos de investigação.

    Mais:

    Kushner cobrou demissão de 20% dos funcionários da CNN por cobertura 'desleal' da eleição
    Agenda secreta: Jared Kushner fez viagem não divulgada à Arábia Saudita
    Trump defende genro Kushner de suspeitas de ligações com a Rússia
    Tags:
    The Atlantic, Michael Flynn, Mike Pence, Jared Kushner, Donald Trump, Donald Trump Jr, Dianne Feinstein, Chuck Grassley, Sergei Kislyak, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar