19:45 20 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Rio Amazonas

    Abalo à soberania? Militares americanos intervêm na Amazônia pela 1ª vez

    © AFP 2018 / CHRISTOPHE SIMON
    Américas
    URL curta
    952865

    "A região está passando por uma situação bastante caótica e pouco clara no que se trata desses acontecimentos, e os EUA se aproveitam, logicamente, da instabilidade", afirmou o analista Raúl Zibechi sobre o contexto no qual se realizam os exercícios militares Amazon Log 2017, que pela primeira vez deram o acesso de tropas estadunidenses à Amazônia.

    Entre 6 e 13 de novembro, cerca de 1.500 soldados brasileiros, 150 colombianos, 120 peruanos e 30 americanos participam das manobras polêmicas, rejeitadas pelas Forças Armadas do Brasil, pois estas entendem que isso implica começar a renunciar ao controle do principal reservatório de biodiversidade perante os americanos.

    Com 5 milhões de quilômetros quadrados, 60% da Amazônia fica no Brasil.

    "O exército brasileiro sempre foi e continua sendo muito zeloso em relação à soberania e controle da Amazônia. Nesse sentido, a presença de militares dos EUA neste território gerou uma rejeição muito importante por parte das Forças Armadas: ‘O controle cabe aos brasileiros e isso é algo que está fora de questão", explica Zibechi à Sputnik Mundo, falando do impacto geopolítico de iniciativas como o Amazon Log 17.

    Ademais, o analista caracterizou o contexto nacional que rodeia as respectivas manobras, ou seja, a política do atual governo brasileiro, destacando que é um governo que "está privatizando esta [a Amazônia] em massa", e sobretudo permite o acesso de empresas internacionais aos recursos naturais do país, inclusive o pré-sal.

    "Os recursos naturais têm uma relação direta com a soberania nacional porque não se trata de conservacionismo puro: trata-se de reafirmar a soberania sobre os recursos, água, biodiversidade, questões nas quais as empresas norte-americanas tiveram e têm um interesse especial. Não é uma questão menor, é um tema muito forte", advertiu o especialista.

    "É uma zona estratégica para o Brasil, sobretudo porque é a tripla fronteira entre Peru, Colômbia e Brasil, é uma zona amazônica, de forte crescimento populacional, com forte migração da Venezuela. […] É uma zona equatorial, o que significa tudo o que tem a ver com a esfera aeroespacial, esta zona será sempre apreciada por todas as potências", resumiu, adiantando que a região, acima de tudo, sempre foi muito rica em recursos minerais, inclusive raros, o que tem provocado inúmeros conflitos entre várias nações.

     

    Mais:

    Brasil quer passar o chapéu para salvar a Amazônia
    Temer comemora resultado do pré-sal: 'O Brasil voltou!' (VÍDEO)
    Acredite se quiser: Brasil e Argentina devem puxar crescimento econômico da América Latina
    Tags:
    exercício, manobras, Exército dos EUA, EUA, Peru, Colômbia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik