13:48 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Demonstração destinada para iniciar um impeachment contra o presidente norte-americano, Donald Trump (EUA)

    Bilionário democrata lança campanha nacional pelo impeachment de Trump

    © AFP 2019 / RINGO CHIU
    Américas
    URL curta
    416

    Um importante Democrata iniciou uma campanha publicitária nacional para provocar o impeachment do presidente dos EUA, Donald Trump. Congressistas de ambos os lados ideológicos estão de olho na iniciativa.

    Com o lançamento da campanha em todo o país, o bilionário ambientalista Tom Steyer pediu que legisladores em Washington DC "tomem posição" e deponham Trump da presidência dos EUA".

    "Esperar é um erro", disse Steyer, observando a urgência de remover Trump que, ele destaca, é um "perigo" enquanto ocupar o assento do mais alto cargo na Terra.

    "Nós acreditamos que [Trump] é perigoso para o povo americano agora", disse Steyer em uma entrevista com o The Guardian. "Congressistas e membros do seu próprio governo sabem que [Trump] é um perigo claro e presente, mentalmente instável e armado com armas nucleares", acrescentou Steyer.

    Observando que o 45º presidente dos EUA se envolveu em uma acalorada guerra de palavras com a Coreia do Norte e o líder Kim Jong-un; está implicado em um caso de obstrução da justiça ao demitir o diretor do FBI, James Comey; e ameaçou vozes na mídia ao não concordar com matérias negativas sobre ele, Steyer está clama ao Capitólio a intensificação dos movimentos em torno de um impeachment.

    "Nós acreditamos que a espera é um erro e acreditamos que os eventos que ocorrerão no próximo ano mostrarão que estamos certos", afirmou Steyer.

    A prova de sucesso inicial de Steyer foi ter sido respondido pelo próprio Trump. O presidente declarou que ativista ambiental bilionário é um "louco e totalmente desequilibrado" e "nunca ganha eleições".

    "Eu acho que o fato de [Trump] responder defensivamente realmente chamou mais a atenção para o que estávamos tentando fazer", afirmou Steyer. "Para isso eu digo, 'Obrigado'. Se ele quiser tweet com raiva de nós, nós o encorajamos a fazer isso".

    Independentemente da resposta de Trump ao impeachment, Steyer reconhece que a remoção do presidente do cargo deve acontecer o mais rápido possível.

    "Esta campanha é um reflexo do fato de que estamos em crise", disse Steyer.

    As acusações da semana passada contra o gerente de campanha de Trump, Paul Manafort, ao lado da admissão de culpa pelo ex-conselheiro do presidente, George Papadopoulos, "colocam claramente o impeachment sobre a mesa", observou Steyer.

    Tags:
    Capitólio dos EUA, The Guardian, Paul Manafort, George Papadopoulos, James Comey, Tom Steyer, Donald Trump, Kim Jong-un, Coreia do Norte, Estados Unidos, Washington, DC
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar