19:43 20 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    050
    Nos siga no

    A Corte Suprema de Justiça da Nação Argentina, mais alta instância do Judiciário local, autorizou a criação de oito cargos para auxiliar na investigação do desaparecimento do ativista Santiago Maldonado.

    Maldonado foi visto pela última vez no primeiro dia de agosto, quando foi detido durante um despejo forçado de um acampamento de indígenas da etnia mapuche no sul da Argentina. 

    O caso do jovem de 28 galvanizou o país.

    "Que a comunidade argentina saiba que temos um desaparecido na democracia do senhor Macri", disse a presidente das Avós da Praça de Maio Estela de Carlotto, segundo o jornal Página 12. 

    A última ditadura militar (1976-1983) registrada na argentina causou a morte ou o desaparecimento de mais de 20 mil pessoas, segundo as organizações de direitos humanos.

    Diante da repercussão desaparecimento de Maldonado, um novo juiz — Gustavo Lleral — foi designado para o caso. O magistrado anterior foi afastado após afirmar em entrevista que a hipótese mais provável era de que Maldonado havia se afogado e que um desaparecimento forçado era improvável. 

    Agora, Lleral terá dedicação exclusiva ao caso e conseguiu autorização do Supremo para a criação de oito cargos e a liberação de recursos adicionais. 

    "É um caso sensível, trata-se de encontrar um ser humando", disse Lleral.

    Mais:

    Macri diz em encontro com vice dos EUA que não apoiará uso da força na Venezuela
    No tango eleitoral, Maurício Macri dá um baile em Cristina Kirchner
    Opinião: Com legitimidade, Macri supera Temer no cenário internacional
    Merkel se reúne com Macri na Argentina e pede compromisso da UE para acordo com Mercosul
    Tags:
    Argentina, Santiago Maldonado, Estela de Carlotto, Avós da Praça de Maio
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar