12:59 27 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1286
    Nos siga no

    O ministro venezuela de Relações Exteriores, Jorge Arreaza, não descartou nesta segunda-feira, em discurso na Assembleia Geral da ONU, a possibilidade de Caracas dar uma resposta militar aos Estados Unidos, que estariam representando uma "ameaça" ao país.

    "Como se ele fosse o presidente do mundo, o imperador Donald Trump usou essa tribuna construída para paz para declarar guerra ao mundo, para a destruição de Estados membros. E a aplicação de medidas unilaterais e ilegais", afirmou o chanceler da Venezuela.

    "Hoje devemos ter ciência para o mundo todo que a nossa gente foi diretamente ameaçada pelo presidente dos Estados Unidos", continuou.

    Em seu primeiro discurso à Assembléia Geral das Nações Unidas, há uma semana, Trump ameaçou "destruir totalmente" a Coreia do Norte, se necessário, ao mesmo tempo que emitiu avisos acentuados à Venezuela e ao Irã, que também seriam ameaças ao mundo.

    Trump advertiu que seu governo poderia tomar "novas ações" para responsabilizar o governo venezuelano de Nicolás Maduro e chamou o acordo nuclear internacional com o Irã "um embaraço" para os Estados Unidos.

    Anteriormente, Trump chegou a mencionar a possibilidade de uso da força contra o governo de Maduro. Diante desta e da mais recente pontuação feita pelo presidente dos EUA contra o país, Arreaza garantiu que a Venezuela está pronta para responder na mesma moeda.

    "A Venezuela sempre procurará o diálogo com respeito mútuo ao povo dos EUA, mas como um país livre que somos, estamos decididos a defender a nossa soberania e democracia contra qualquer cenário e por meio de qualquer modalidade", destacou o ministro.

    "Devemos pôr fim à loucura […] mas se formos atacados nós iremos responder no mesmo terreno em que formos atacados. Esperamos que isso não aconteça nunca", emendou o chanceler venezuelano.

    Arreaza ainda condenou as sanções recentes contra Rússia e Irã e comentou que o discurso feito na mesma assembleia pelo ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, em 2006, continua válido. Na ocasião, ele comentou que o encontro "cheirava a enxofre" e comparou o então presidente dos EUA, George W. Bush, ao diabo.

    Mais:

    Grupo de Lima confirma não reconhecimento da Assembleia Constituinte da Venezuela
    Pronta para tudo: Venezuela espera qualquer cenário dos EUA, incluindo o militar
    Moscou: EUA devem parar com as sugestões de intervenção armada dos EUA na Venezuela
    Tags:
    Venezuela, Estados Unidos, Jorge Arreaza, Nicolás Maduro, Donald Trump, Hugo Chávez, ONU, 72ª Assembleia Geral da ONU, diplomacia, política, guerra, relações bilaterais
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar