09:58 21 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Imagem de um dos bombardeiros B-1B Lancer dos EUA que sobrevoou a Península Coreana

    Demonstração de força: Bombardeiros dos EUA sobrevoam costa da Coreia do Norte

    © REUTERS/ U.S. Air Force photo/Staff Sgt. Joshua Smoot
    Américas
    URL curta
    86103051930

    Escoltados por caças, bombardeiros da força aérea norte-americana B-1B Lancer sobrevoaram a costa da Coreia do Norte para exibir poder militar dos EUA.

    Os bombardeiros dos EUA voaram no espaço aéreo internacional da costa leste da Coreia do Norte. Esta flexão muscular militar visa demonstrar o alcance das opções militares dos EUA disponíveis para Donald Trump, disse a porta-voz do Pentágono, Dana White, à agência de notícias Reuters.

    "Foi o mais ao norte da Zona Desmilitarizada (DMZ) que qualquer aeronave de combate ou bombardeiro dos Estados Unidos voou no século 21, ressaltando a seriedade com que tomamos o comportamento imprudente da Coreia do Norte", afirmou a porta-voz.

    Este passo foi tomado como uma resposta ao terremoto que atingiu a Coreia do Norte no início do dia, supostamente conectado a testes nucleares. O Centro de Redes Sismológicas da China (CRSC na sigla em inglês) disse que detectou um terremoto de magnitude 3.4 na parte nordeste da Coreia do Norte, perto do epicentro do terremoto superficial causado pelo teste nuclear de Pyongyang em 3 de setembro. Os sismólogos acrescentaram que a profundidade do terremoto era zero quilômetros, o que indica ter sido causado por uma  "explosão suspeita".

    A Organização do Tratado de Interdição Completa de Ensaios Nucleares (CTBTO), um organismo de vigilância da proliferação nuclear, ainda está examinando atividades sísmicas incomuns na região.

    Ameaças

    Em seu primeiro discurso à Assembleia Geral das Nações Unidas, Trump ameaçou "destruir totalmente" a Coreia do Norte, se necessário, ao mesmo tempo em que emitiu avisos à Venezuela e ao Irã. Trump também chamou o líder norte-coreano Kim Jong-Un de "homem foguete em uma missão suicida para si próprio e para o seu regime".

    O republicano emitiu ainda uma ordem executiva na quinta-feira que reforça a capacidade do Departamento do Tesouro dos EUA de monitorar indivíduos que fornecem materiais, serviços ou tecnologia para a Coreia do Norte. As sanções punitivas visam as indústrias têxteis, pesqueiras e manufatureiras do país.

    Tecnicamente, os Estados Unidos e a Coreia do Norte ainda estão em estado de guerra. Em 27 de julho de 1953, as duas nações assinaram um armistício para cessar as hostilidades até encontrar uma solução pacífica, mas um Tratado de Paz nunca foi posto à mesa.

    Mais:

    Para cumprir sanções da ONU, China anuncia limites no comércio com Coreia do Norte
    Menos emoção, mais razão: Lavrov revela estratégia para crise com Coreia do Norte
    EUA querem 'condições certas' para dialogar com a Coreia do Norte
    Trump assina novo pacote de sanções contra a Coreia do Norte, mas acena para o diálogo
    Coreia do Sul vai prestar ajuda humanitária à Coreia do Norte
    Tags:
    B-1B, Assembleia Geral das Nações Unidas, Reuters, Pentágono, CRSC, Centro de Redes Sismológicas da China, Dana White, Donald Trump, Kim Jong-un, Irã, Venezuela, Pyongyang, Zona Desmilitarizada, Estados Unidos, Coreia do Norte
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik