13:25 11 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Homens da Guarda Nacional da Venezuela marcham  pelas ruas de Caracas em comemoração ao Dia da Independência do país, em 5 de julho de 2016

    Venezuela vai estar no cardápio do jantar de Temer com Trump

    © AP Photo / Ramon Espinosa
    Américas
    URL curta
    Medo de intervenção na Venezuela (10)
    1934

    O presidente Michel Temer desembarca em Nova York nesta segunda-feira, para participar da Assembleia Geral da ONU. Um jantar oferecido pelo presidente dos EUA, Donald Trump, será o primeiro item da sua extensa agenda.

    O líder norte-americano receberá, além do chefe de Estado brasileiro, os seus colegas Juan Manuel Santos, da Colômbia, e Juan Carlos Varela, do Panamá. O presidente da Argentina, Mauricio Macri, será representado por sua vice, Gabriela Michetti.

    "A Venezuela certamente estará no cardápio do jantar", revelou à Sputnik Brasil uma fonte no Itamaraty, e afirmou que "a posição do Brasil sobre a Venezuela é conhecida e foi amplamente divulgada".

    A declaração confirma os comentários, divulgados pela imprensa durante os últimos dias, segundo os quais o tema seria o prato principal da refeição multilateral.

    O Professor de Relações Internacionais e historiador Rafael Araújo, autor de dois livros sobre a Venezuela, considera que o encontro entre os líderes faz parte de uma "tentativa de Trump, em conjunto com o governo da Argentina, da Colômbia, do México e do Peru, de criar um diálogo". 

    O especialista, no entanto, cobrou uma posição mais ativa de Brasília.

    "Está na hora do governo Brasileiro tomar uma postura mais firme, no sentido de impulsionar um diálogo", afirmou o interlocutor da Sputnik.

    "Está na hora, de afastar as questões ideológicas, e do Brasil entender que é a grande liderança da América do Sul e tem que ser o grande impulsionador de um grande acordo entre o governo e a oposição. Pois se não houver acordo a gente pode assistir a uma guerra civil na fronteira do Brasil e a uma intervenção norte-americana como na Síria", alertou Araújo.

    Na terça-feira, 19 de setembro, Michel Temer abrirá a Assembleia Geral da ONU, mantendo a tradição, desde 1947, segundo a qual o Brasil é o primeiro país a discursar.

    Segundo fontes diplomáticas, na quarta-feira, 20, será um dos pontos mais importantes da agenda: a cerimônia de assinatura do tratado sobre a proibição de armas nucleares, que contou com participação brasileira ativa, apesar dos EUA e da Rússia terem ficado de fora.

    Tema:
    Medo de intervenção na Venezuela (10)

    Mais:

    Cúpula de Solidariedade à Venezuela é resposta de Maduro às ameaças de Donald Trump
    Não há estado de direito na Venezuela e na Argentina, diz ex-presidente Cristina Kirchner
    Opinião: agressão dos EUA contra Venezuela visa enfraquecer a Rússia e a China
    Comissão Internacional de Juristas sobre Venezuela: foi golpe de Estado
    ONU: na Venezuela podem ter sido cometidos crimes contra a humanidade
    Tags:
    Assembleia Geral da ONU, Itamaraty, Gabriela Michetti, Donald Trump, Rafael Araújo, Juan Carlos Varela, Michel Temer, Juan Manuel Santos, Colômbia, Nova York, Venezuela, Panamá, EUA, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik