17:07 23 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Temer é convidado de Trump para jantar em Washigton que vai discutir crise na Venezuela

    Jantar da pesada vai reunir Trump, Temer e Santos; no cardápio, Venezuela

    Beto Barata/PR/Agência Brasil
    Américas
    URL curta
    44210538

    O presidente Donald Trump convidou os presidentes Michel Temer e Juan Manoel Santos, da Colômbia, para um jantar, na próxima segunda-feira, na véspera da abertura da Assembleia Geral da ONU. No cardápio, entre outros temas, o prato principal será a situação na Venezuela.

    O convite também foi feito ao presidente peruano Pedro Kuczynski, que não havia confirmado presença até a tarde desta quarta-feira. Em comum, os três países têm feito inúmeras críticas ao governo do presidente Nicolás Maduro, a quem acusam de rompimento do regime democrático, violação de direitos humanos e perseguição política aos opositores.

    Em meados de agosto, Trump declarou que cogitava uma possível intervenção militar no país, caso o governo venezuelano não estabelecesse diálogo com a oposição, pondo fim à crescente instabilidade social no país. Também no mês passado, Washington ampliou as sanções à Venezuela, proibindo a compra de bônus do governo ou da estatal petrolífera PDVSA.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Diogo Dario, professor de Relações Internacionais da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), concorda que Venezuela será um dos temas centrais do encontro, mas acha difícil que o jantar sirva como aval de Brasil, Venezuela e Peru endossarem uma eventual intervenção militar no país caribenho.

    "Acho pouco provável que uma solução desse tipo [intervenção militar] seja factível. A diplomacia latino-americana foi construída de uma maneira tal que a época de intervenção militar em países sul-americanos acabou. Por mais que ele [Trump] coloque essa agenda, ela não vai se posicionar. Mesmo Temer, com toda a posição isolacionista que tomou em relação ao Mercosul e à Venezuela, tem fronteiras que vejo muito difícil ele cruzar", analisa o professor da UFRJ.

    Na avaliação de Dario, do jantar pode surgir mais uma espécie de pressão concentrada e uma crítica pública em relação ao governo venezuelano. Dario acredita que Temer pode aproveitar esse momento de cobrança de apoio aos EUA para extrair de Trump alguns avanços em relação à agenda brasileira pretendida com os Estados Unidos. 

    "Intervenção armada é um cenário que não vale a pena, nem para o governo Temer, pagar o preço político de se expor a esse tipo de risco. A forma como o regionalismo sul-americano está construído estigmatiza esse tipo de alternativa. Mesmo em 2009, quando a Colômbia invadiu o Equador, envolvendo as FARC, aquilo não escalou para um conflito”, lembra Dario. "Se ele [Trump] tiver um mínimo de orientação política, não vai colocar essa opção na mesa."

    Mais:

    ONU: na Venezuela podem ter sido cometidos crimes contra a humanidade
    Venezuela vai abandonar o dólar na negociação de petróleo, gás e ouro
    Tags:
    pressão política, sanções econômicas, direitos, geopolítica, intervenção militar, diplomacia, PDVSA, UFRJ, ONU, Pedro Pablo Kuczynski, Diogo Dario, Donald Trump, Michel Temer, Juan Manuel Santos, Nicolás Maduro, América do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik